domingo, 31 de maio de 2009

...Uma vez mais

Não quero, mais uma vez, ter de suplicar esse perdão, que tanto me faz falta.
Não quero ter que jogar pro alto tudo o que sempre me fez bem, nem tão pouco deixar de viver e ser o que sempre quis: LIVRE!! \o/

Eu quero o meu mundo, o nosso mundo de faz de conta, que a gente finge que existe, as pessoas fingem que não sabem, e a gente faz de conta que acredita! =D

Esse mundo tão louco que sempre desejei viver ao lado de quem me fez tanto bem, de verdade, e que deixou de querer viver também ao meu lado, com minhas loucuras que jamais morreram!
Com minhas loucas histórias que jamais deixei de contar aqui. Que jamais deixei de sonhar e querer aqui: s2
E que jamais vai se apagar dentro de mim.

Sinto por deixar de ser admirada por quem quer que seja... Sinto por deixar também de admirar certas atitudes, certas incoerências, e parâmetros que não me cabem.
Se as pessoas mudam, e assim como as coisas também, acho, enfim que muita coisa -senão tudo- mudou pra mim.
Embora os desejos sejam os mesmos de sempre.
Embora as vontades e sonhos não tenham saído de mim.
Tenho buscado novos caminhos, os meus caminhos, com quem quiser me acompanhar em busca de cada um dos quereres.
E não seleciono a 'minha gente'. Sou guiada apenas por meus passos, e não posso designar os passos de quem quer que seja. Cada um por seus pés segue o caminho que lhe apetecer.
E cada um sabe onde deve estar e no momento certo.

E o que é certo nesse instante?
Me disseram que certo e errado podem tornar-se relativos pra qualquer pessoa.
Que o certo só é certo pràqueles que não ofendem princípios alheios, que não ferem por vontade...
Mas quem sente tudo isso?
E como posso me julgar estar sendo coerente? E como posso saber em que ponto estou errando?

Eu não quis ferir, em momento algum... Eu não quis magoar, machucar, enganar, mentir, fazer sofrer, ignorar, esquecer...

Respeitei o silêncio tão necessário a cada um de nós.
Me restringi à esse mesmo silêncio que apenas me fez pensar.
Que apenas me fez ver o quanto cada um de nós pode ser livre e tão acorrentado ào outro.
Que as pessoas pensam que sua vida está ótima, e muita coisa ainda está de ponta-cabeça.
E que esse, que era pra ser O momento da minha vida, está me deixando cansada de insistir em algo que NUNCA MUDOU, MAS ESTÁ TÃO RUIM QUE ME FAZ ACREDITAR QUE SOU UM MONSTRO, às vezes...
E me faz sentir como se só eu tivesse SEMPRE que estar à disposição...

Só que não vou estar sempre aqui... ;)


Costa, gyovanna

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Ainda...

Hoje apenas a eloqüência do silêncio.
Apenas a vontade de falar, sem poder enfim.
A vontade de tocar, sem saber como fazê-lo...
E a insistência da saudade... E a voracidade da tristeza.

Para hoje, apenas uma imensa dúvida paira no ar...
A mesma que já me cercou por tantas vezes, a mesma que sempre volta...
'porquê?!'
Cabe para tantas questões, todas, eu diria...
Cabe pra qualquer momento, pra qualquer pessoa e em qualquer lugar!
Essa pequena palavra que taaanto me faz pensar.
OM! E é o que tenho mais feito... Além de sentir meu corpo chorar.
Além de sentir que nada disso deve realmente importar, e mesmo assim não posso esquecer.
E mesmo assim, insisto em me enganar que tudo volta a ser como antes.
Que tudo não passa de 'vertigem'. E me acostumei com essa palavra.
Passou a ser corriqueiro transcrevê-la...
E, que bom se fosse verdade, se fosse mesmo vertigem, se fosse apenas um sonho...
Esse era o momento em que eu queria acordar!
Esse era o momento que não cabia mais à ninguém permanecer sonhando, continuar fingindo e enganar-se a si próprio.
E essa é a realidade dos fatos... É a incoerência na qual fomos impostos! Na qual estamos sendo 'manipulados' por nós mesmos. Onde sabemos o que queremos, e só buscamos aquilo que nos apetece!
E só queremos o que nos faz bem, mas somos orgulhosos demais para admitir.
E somos 'BURROS' demais pra voltar... E fracos demais pra arrependermo-nos...
Porque, ouví dizer por aí, que somente os fortes fazem isso. ;)
E me disseram também que ainda há tempo para os insistentes, e que ainda há verdade em meio às mentiras tão repetidas, e tão aceitáveis também.
E há o desespero de ambas as partes... E ainda, a vontade de querer o mesmo fim.

;]

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Por ontem, com meus pensamentos tão esdrúxulos!

Estava tentando descobrir uma maneira de fazer meus cabelos parecerem legais, estava com eles amarrados, mas resolvi soltá-los, fazer um ar de garota fatal e me esconder entre cachos e desalinho dos fios... Eu tava pensando em algum bom assunto pra parecer divertida.. Pra demonstrar alegria e não me restringir ao silêncio que me parece sempre tão frio. Tão cruel com quem quer que seja. Enfim... Estava esperando, pq sabia que mesmo que eu não respondesse mais, você voltaria a falar comigo..
Ninguém nunca disse isso, mas sempre acreditei que minhas mudanças constantes me fazem ser legal!
E acho que essa loucura imeensa de parecer filósofa, sendo uma louca qualquer, me faz ser ainda mais diferente dos parâmetros tão manjados da sociedade. Não faço nada pra chamar a atenção. Quero apenas mais sonhadores, assim como eu, sem ver culpa nem constrangimentos por estar sendo gentil com alguém que necessita mais do que eu mesma dos sonhos mais loucos!
E isso parece balela... Pode parecer idiotice... Cada um pensa o que quer.. O que vier na mente quando lê tudo isso... Mas se redondo é rir da vida [jah dizia Luciane Scheuermann] Vamos aproveitar, por que ela está aí apenas hoje!! Amanhã não existirá pra mim, nem pra você... Nem praqueles tão bem preparados pro futuro..


;)

Belieeevee!!! \o/

Believe! \o/ And alive your dreams!
Dance! Because just today is the moment!
Make up! Nothing is free in the life...

And... Remember your actions, your fears... Your love...

You! Just you can change everything!

Believe!! \o/

I'm free of any guilt! I'm so happy... I'm realized!
Make this for you too! I believed... I BELIEVE yet!

=D

quarta-feira, 27 de maio de 2009

Extravasaa!!

Foge dos teus princípios e age como achares que realmente deves!
Não me importa se é certo. Não te importes com teu próximo...
Não, necessariamente, esqueça do mundo, mas pense em ti como primeiro plano.
Pense nas tuas vontades, nos teus desejos mais profundos, e no que queres de verdade para o desenrolar da tua vida, futuramente.
Só aquilo que plantares nascerá na tua árvore!
Não plante laranjas se quiseres ver figos florescendo. ;)
E isso quem me disse foi uma super mente aberta: Lucia Helena Pedroso
Que surgiu, sei lá de onde, pra me pôr na cabeça mais verdades escrachadas!
Menos desculpas pras minhas mancadas, e muito mais coragem pras minhas atitudes!
E agirei por meus pés, e quero que também, assim, o faça!
Corra os teus riscos, pule teus medos, extravase!
E ao fim, volte e me contes se valeu a pena... E eu sei que sim... Sempre vale!

;)

Sigo! \o/

Em desalinho ao desespero, um sulco aos meus vícios.
Um tiro no escuro, um novo feitiço.
E na desordem dos pensamentos, um motivo bem pacional de lutar pra querer.
Um descuido fatal e a descoberta do ser.
E a disputa do sim, e a desfortuna do não. E a contradição e a descontração.
Um distúrbio das emoções mais loucas, e um silvo de vontade.
E um pedaço de saudade que ainda nos rodea.
E uma luz que ainda clareia, e me faz seguir, enfim.


;*

terça-feira, 26 de maio de 2009

hã?

Um púlpito para os célebres impulsivos astros
Para os comediantes da vida real, e analfabetos tão cheios de saber.
Um diagrama para os complexos ineptos, tão distantes do poder!
E uma pequena falha diante de tanto dever... De pouco crer... E nada ser.

;*

Voltando...

Que grande falta de nexo
escrever com lápis roxo... Descrever o indescritível
E guerrear em busca da paz!

Que grande perca de tempo
Tatuar um golfinho cinza... Nadar num mar de desespero
E querer o impossível!

E que falta de respostas, pras perguntas tão incertas, pros amores esquisitos[?]
Pros horários tão dispersos e disputa de atenção...
E grande contradição, e maior ainda a confusão.
Uma insistência em confissão. Uma busca ao alívio...

E é certo que vamos voltar a querer as mesmas coisas.
A indagar novas questões, mas responder sem exitar.
Vamos sorrir, vamos chorar... E agradecer, por poder viver!

;*

sábado, 23 de maio de 2009

Eu NUNCA vou te deixar...

Surge tanto efeito, pra tantos sentidos e qualquer situação.
Uma pequena frase, que diz tantas coisas em contradição... o.O
Mais uma conversa, tantos 'sim 'e tantos 'não'!
Tantas voltas, e de novo um mesmo fim.
E porque esperamos tanto, se sabemos onde tudo vai acabar?! ;9
Mas aqueles momentos 'antes' são sempre tão bons. Me deixam tãão apreensiva, sem saber [sabendo enfim] onde tudo vai dar.
E me pego rindo à toa, sem poder me controlar.
Mas escondo em sérias faces, uma vontade de chorar..^o)
E isso tem me agoniado... Isso tem me sufocado.
Voltei a fugir de certos 'princípios', tomei uma bebida e me sentí tão... vulnerável
E me sentí tão desprezível... E tão amável! [isso foi vertigem]
Isso foi realmente loucura! E é melhor nem ter razão mesmo... =D
Necessito de pés no chão apenas... Por mim e por você!
E quando ouví de seus lábios que não queria me deixar, eu percebí o quão bom foi ter perdido a comoção, ter aceitado a decisão e arriscado mais uma vez em nós.

Vou estar sempre aqui...

;*

no máz me gusta jugar.. ;*

Me escolheu pros seus joguinhos?
Pareço-lhe um brinquedo qualquer? Pode ser que sim...
Mas cansei da brincadeira, já não me importa o teu sentimento.. oO’ [eu disse mesmo isso?]
Quando eu quis, tu ‘fugiste’.
Hoje queres, e quem não quer sou eu. B)
Podes negar, mas está em teu sorriso bobo, sempre tão disperso dos meus olhos...
Podes enganar a ti mesmo, mas jamais saberá como é me ter.
E eu não vou negar o que já senti. Mas é chegada a minha hora de tomar uma decisão, de querer ou não...
Hoje eu lanço as cartas... Dito as minhas regras...
E não faço isso pra te usar como um jogo qualquer... Na quero te fazer brincar, porque já não ‘me gusta’ jogar contigo... ;)

beijonãomeLigamais;*

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Quem se importa? =P

Tantas voltas para o fim. Lá onde tudo começou.
Lá, onde tantas vezes me perdi. Lá onde você me encontrou!
Onde muita gente nos viu, mas ninguém sabe afinal.
Onde só a noite lembrará do que não parece normal.
E que nada é certo enfim. E que é tão fácil, hoje, pra mim, perceber como foi bom, reaver o que perdi. Lembrar do que nunca esqueci. E querer reviver novamente.
E esquecer toda aquela gente, que jamais sequer me importei.
E de lá me transportei, pra viver mais uma vez! E atrás de lucidez, volto à loucura do sim!

domingo, 17 de maio de 2009

Risco natural ;9

Em que circunstâncias pode-se aliar medo e coragem?
Em que situações nossos corpos se desprendem da mente buscando uma fuga do que é real?
Dirija-te ao ápice da redenção dos teus pensamentos tão irresolutos e de tuas negações tão inerentes às tuas escolhas. ;)
Busque uma resposta dos perigos mais prudentes e cabíeis à qualquer mortal.
Uma eloquente expressão de confiança em teus atos, por aqueles que confiam em ti de verdade, e que sabes que é recíproco.
Abasteça de coragem esse peito cálido, das marcas do tempo. Essas dores fúnebres da vertigem do destino.
Embreague na sensação do prazer da saudade! E perca a sanidade por jamais ter amado... Corra os riscos mais prazerosos das vontades tão dispersas da realidade aceitável por qualquer 'normal'.

E depois de tudo isso... Simplesmente, AME! =DDD

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Lembreeei *-*

Lembrei-me hoje, da primeira vez que escrevi...
Sentada na minha cama, ouvindo o som da chuva e pensando em tudo que havia acontecido nos últimos tempos. Papel e caneta na mão, aliás, era um lápis, eu acho... Não me recordo bem...
E senti, simplesmente, as palavras surgindo na ponta da língua, sem que me esforçasse para isso. Senti apenas, todas aquelas palavras como uma lembrança de cada momento.
Depois disso, não parei mais de escrever. Acho que identifiquei com o papel... Me libertei daquela vontade louca de querer falar e não saber pra quem, e nem como.
Foram algumas canções desde então... Alguns bons sentimentos, outros não.
Algumas falas da boca pra fora, outras verdades bem dolorosas.
Escrevi, desde então, coisas sobre a minha vida... Histórias que protagonizei, que sonhei ou que busquei idealizar.
Contei casos amorosos, piadas e textos sem lógica, comédias e tragédias tão interligadas que me fizeram rir e chorar ao mesmo tempo.
Demonstrei os mais variados sentimentos, busquei respostas, explicações, fugas e transformações.
Tudo, desde que peguei aquele lápis e papel... E em versos que diziam ‘Lá fora ouço a chuva que cai...’ Já me bastava aquele som. Um som que me inspirava a escrever sem medo algum, sem qualquer preocupação, nem julgamento, nem discussão.
Perco-me nas horas intermináveis de tardes tão monótonas voltando ao meu passado, não tão distante, e lendo tudo – ou quase tudo- que já escrevi. Tudo o que senti, do pouco que vivi.
E ainda me surpreendo ao ler muitas coisas. Como se quando escrevesse não fosse eu por ‘trás’ de tudo aquilo. Como se meu corpo não me pertencesse.
Repetida e incansavelmente leio os meus preferidos’, tento recordar de como me inspirei a escrevê-los, e volto ao sentimento que me fez cria-los.
Eu perco a noção de tempo, a falta de calma, a dor que machuca...
Eu fujo das coisas chatas, dos medos e culpas...
E escondo nas ‘entrelinhas’ segredos que eu mesma desconheço... ;)

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Final feliz

Peguei-me rindo das lições da vida.
Das peças que me preguei, das mentiras que contei a mim mesma.
Dos amores que vivi, dos que esqueci, dos que quis e voltei a querer, dos que fugi...
De quando fingi estar bem, e quando chorei de rir e emendei num pranto sofrido.
Mas eu me reergo sempre, inexplicavelmente, bem!
Eu ainda posso recuperar dentro de mim e de você aquele sonho tão louco que jamais morreu, apenas nos fez acordar um pouco e viver outros sonhos, ou pesadelos [?]
Ainda não esqueci das promessas que fiz. Que fiz a mim mesma a fim de fazer valer o que sempre mais prezei. O que sempre mais quis.
Um lindo finaL... Aquele final feliz! =D

domingo, 10 de maio de 2009

Provação?! o.O'

Se é 'provação' pra você, acho que pode ser pra mim tbm, né?
Se isso te machucou algum dia, certamente, hoje tah doendo em mim.
Essas atitudes tão infantis não poderiam caber em taaanta maturidade... Que DEVERIA existir.
Nunca gostei de cair em joguinhos, não me sinto bem com ironias...
Não me acostumo com falsidade, nem tão pouco com mesquinharias...
Eu to cansada... Tô magoada. Não vou negar.
Busquei apenas uma fuga dos meus vícios naturais...
Uma longa distância dos problemas irracionais!
E quero hoje poder dormir... E quero hoje esquecer, talvez.... Recuperar a lucidez de não ter vivido NADA disso...

sábado, 9 de maio de 2009

Quanto vale um sorriso?!

algo sobre isso hoje e me fez pensar...

Pagaria, você, pra ter um sorriso?
E de que valEria um sorriso pago? Que sentido tem pra você sorrir à custo de algo?
Eu até nem me importaria em forçar... Mas não está em mim, sabe como é?

Não me custa sorrir, não precisa pagar, me dê motivos para isso que, certamente, irei emanar gostosas gargalhadas, como sempre fiz nos momentos em que me coube fazê-lo.
Só não espere me ver sorrindo quando aqui dentro ainda dói. Quando meu peito remói tudo aquilo que ainda não pude esquecer.
Aquilo que jamais terei novamente, pq, simplesmente aceitei.. (y)
Mas eu voltarei a sorrir, não há tempo que não cure, nem pranto que por muito tempo segure.
Vou acabar esquecendo, as feridas, que já não são tão dolorosas, vão fechar e nada disso vai me importar.

;*

domingo, 3 de maio de 2009

Desencanto

Meu poder de persuasão já se contradisse em várias circunstâncias com meu desequilíbrio de ser influenciada a agir como eu costumeiramente gostaria, sem saber o que seria, sem ao menos me envolver.
E depois da prova de fatos, eu volto ao princípio dos atos sem ao menos entender.
Eu já não pertenço à mim mesma, e nem poderia... Meus olhos não me obedecem, meu peito aqui dentro 'chia'.
E a noite, na cama vazia, eu volto me remoer.
E não posso suspender essa dor do desencanto, essa ausência do pranto, mas que me invade afinal.
E essa dormência dos medos que volta e meia me rodeiam, e as luzes nada mais clareiam, para me fazer enxergar.
Meus passos são como relógios, dão voltas num mesmo 'fim'. Dão silvos que como um 'sim', fazem meu canto soar.
Mas muda como a madrugada, ouve-se apenas o som do nada, do vento e do ar tão gélido.
E frios são meus pensamentos, como todo e qualquer sentimento que hoje me fez escrever.

;*

sexta-feira, 1 de maio de 2009

Só hojeee...

Tô buscando uma lição no transporte dos pensamentos mais desenvoltos e fantasiásticos que se pode ter.
Tô querendo te levar pra onde nunca fui, e mesmo assim sei que é o melhor lugar do mundo.
E embarquei mais uma vez num querer de sonhos loucos. ;)
E mais uma vez eu quis o melhor pra mim... E pra você também.
Viajar na loucura de não ter memória suficiente para voltar ao ontem e nem curiosidade para tentar se pôr no amanhã.
Simplesmente ser! Hoje e nada mais.. ;D

Queria virar poeta De versos elaborados De livros, publicados. Queria ser mais que sou. E queria ser menos, Bem menos poeta Talvez, me...