quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

bicho mulher

Mulher é mesmo um bicho.
E não daqueles de sete cabeças
É bicho bonito, de corpo e de alma
De pele, carinho, que alisa e acalma
O bicho dos sonhos
Tal qual de pelúcia..
Carícia, malícia, um vício, ternura
Minha cura dos dias insanos e frios
Provoca arrepios, debaixo dos panos
Desejos profanos, segredo, silêncio.
Mulher de verdade, o bicho que encanta
Que canta com voz de veludo
Nas lágrimas acha escudo
Abrigo de todo medo
Meiga, mulher de verdade
Razão, emoção e bondade
O bicho que me faz bem.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

tão perto

Dei de cara com a velha morte
Sustentada pela, amiga, sorte
Tão rápida e incontrolavelmente
Ferida, mas consciente
Sentia minha alma indo
As portas, pra mim, se abrindo
E num sulco veloz de volta
O vento bateu à porta
E arremessada, de novo, fui
Tão assustada com tudo e todos
Desamparada dos próprios medos
E perdia, por entre os dedos
Meus devaneios, os meus segredos
E foi-se tudo, como foi o tempo
O meu controle, que nunca tive
Dos meus deslizes, desassossego
E o preço é alto por tudo isso
Entre o inferno e o paraíso
Tão perto, a morte, me deu a mão
E arrependida, puxou depressa
Me deu a chance à uma nova peça
Me deu a vida, de novo, enfim.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

temor

Novamente o frio na barriga
Respiração ofegante, fadiga
Uma procura, incansável pelas mãos suadas e tão frias
E, constantemente, vazias das minhas
Segue a dúvida, a dor, a saudade
A eterna vontade... Mera vontade.
Insistência, ambígua, de desejos
Eloquente carícia, e de novo, beijo.
E fogo, e fuga... Pros medos meus, e tão seus também.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

segredos

Mais uma vez o silêncio
Silencia, de novo, meu ser
No escuro do quarto vazio
Despertar de um novo querer
E ver tudo, ao mesmo tempo, se mover
Amor morrer, outra vez nascer
E querer gritar!
Explodir de dor
Demonstrar o amor, que de mim não sai
E que aos poucos, vai...
Que você liberta
Com a porta aberta
Me mandando ir
Querendo, também, sair
Tão presos entre nós mesmos
Segredos, nossos segredos.

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

eusouumaidiota.

Perdemos grandes amigos
Por pequenos amores
Por destinos incertos
Pelos medos, temores.
Perdemos a nossa coragem
A sinceridade
Por um copo de vinho
E estar tão sozinho
Que me fez pirar.
Perdi a minha própria identidade
Por não dizer a verdade
Ou, ser sincera demais. ;x
E por ter ido atrás
Dum 'certo' que nem era meu
E, depois do que aconteceu
Só me resta lamentar
Depois de tentar consertar
De cair em tentação
Escolher um sim ao invés do não
E fazer morrer todo o seu perdão.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Feliz Aniversário!

O dia amanhece perfeito!
Peito aberto e empolgação
Nesse clima de verão
Nada melhor que uma festa
Que cerveja e seresta
E quem sabe, confusão (6'
No sítio, no meio do nada
A ordem é azaração
Contamos os dias, as horas
Sofremos por antecipação. rs
E o motivo da bagunça?
Juliana, é a responsável
Do gostar inevitável
Atitude e parceria
Todos amam essa guria
Ou, as festas que ela faz... shaiushauihsuiahsa
E que ela, e ninguém mais
Disso tudo vai esquecer
Bêbado, ou não, tanto faz
O importante é aparecer!
É fazer acontecer!!!
E juntar toda essa gente
Só alguém, mesmo, especial
Que saiu até no jornal
Tá ficando 'chick, bein'.
Somos jovens, que mal tem?
Não dever nada à ninguém.
E marcar no calendário
Que hoje é o aniversário
Daquela gordinha engraçada
Meio estranha e desajeitada
Que depois é tão² amada
Juliana Bassoli, meu bem!

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

compasso de espera

Pra que, sacrificar o peito
Por algo que não tem jeito
Senão, que seja a presença
A carícia e a querência
A vontade e a insistência
De estar, querer e ter.
Pra que, se nada disso adianta
Se em nós, a dor é tanta
E a saudade é traiçoeira
Agoniante e derradeira
Pra fazer voltar atrás.
E buscamos, uma vez mais
Estender a mão ao sim
Insatisfeitos com o fim
Sofrendo passo a passo
Cada dia num compasso
De espera e de desejo
Do carinho e do beijo
Que, outrora, tornará a acontecer.