quinta-feira, 28 de junho de 2012

simples

Quando não existe dúvida
Apenas se ama, apenas...
Como se fosse pouco
Como se não bastasse.

terça-feira, 26 de junho de 2012

amanhã

Hoje, por intermináveis segundos eu te perdi
Até deixei que fosse, só pra ver se voltaria por seu próprio sim.
Me senti estranha, mesmo que por pouquissimo tempo, até que a próxima mensagem de alívio viesse.
E veio com ela saudade. Veio querência e vontade de estar onde não poderia.
Sabia que era cedo pra ouvir e dizer tudo isso. Sabia que era hora, que deveria ser dito.
Veio certeza!
E veio cansaço, nem sei de onde...
Sentamos em meio ao nada, conversas aleatórias...
De novo o tempo voa! Não para por um segundo.
E agora que deveria, se arrasta, maldito tempo.
Se deita por sobre as horas, repousa, descansa, recusa-se a passar.
E eu peço que vá embora, que traga logo o amanhã
Pois com ele, ela virá.

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Dela. *-*

"Teu jeito comigo, lindo. Feito só pra mim.
Vai entender essa loucura de querer estar sempre com você!
Parece que você sabe tanto sobre o que eu quero te falar...
Te olhar nos olhos, viajar com você pra qualquer lugar.
A nossa ligação, o que aconteceu não tem explicação.
Eu gosto tanto de você, sem você a vida perde a graça.
O que acontece com a gente, se eu falasse, ninguém ia acreditar
As horas viram segundos!
Me perdi totalmente. Me perdi em você.
Nem sei mais o dia da semana, ou o que eu vou fazer...
Quando bate a paixão, te dou um abraço apertado e fico colada em você.
Se vai a minha insanidade, te dou um beijo daqueles e posso sentir você.
Eu quero você só pra mim" <3

sexta-feira, 22 de junho de 2012

deixa chover *-*

Desce sincera água
Transborda esse céu imenso
Repousa por entre a terra
Acalenta os meus lamentos.
Chove, sentimento, chove.

quinta-feira, 21 de junho de 2012

volte

Quando é solitário ficar em meio ao nada
Esperando que volte tudo que se foi
Parado, entre neblina e sossego
Silêncio e angústia pro que ficará.
E como é doída essa ida fulgaz
Já não se sabe mais por onde andar
Só se sabe que os pés é que terão de ir
Pra talvez nunca mais voltar...
Como é irônico esse sentimento
Revolta e lamento pelo mesmo fim
Calado sentido dentro de mim
Que torna a acordar pouco a pouco
E torna a doer sofrimento.
De culpa e ressentimento
Por tudo que nem se foi
Que apenas distanciou
Por horas e horas pra longe mudou
Mas que, certamente, irá retornar.
Espero.

domingo, 17 de junho de 2012

chove

Deixa que caia a chuva e purifique a terra com suas "lágrimas" em gotas tão suaves e barulhentas que chegam a assustar.
Deixa que o vento sopre e leve embora todo o resto do mundo e do acaso, fazendo apenas com que o destino se faça valer.
Deixe um pouco de conversa, um pouco de abraços e beijos calorosos.
Deixe que o tempo passe, que as coisas mudem, que o novo surja.
Deixe que a grama cresça, que o velho morra, que o jovem nasça, que a vida passe e passe bem vivida.
Que as folhas sequem e voltem a brotar na primavera.
Deixe a canção soar, a estrada seguir, a distância aumentar e saudade surgir.
E a alegria emanar, e a flor se abrir, e deixe o mundo parar, ouvindo essa chuva cair.

sexta-feira, 15 de junho de 2012

matuto acaso

É como saber que nada disso precisa fazer sentido pra existir.
Como ter a certeza de que existe de fato, sem ser necessário "Interpretar".
É como olhar praquele' céu, tão negro, que brilha estrela à estrela, iluminando a noite, bem como a cor dos seus olhos. *-*
É ter um abraço apertado logo cedo, tão quente.
E não explicar, nem questionar, apenas viver! Apenas sentir.
E vão-se os dias, vem surpresas, vem saudade e falta.
E vem vontade e procura! E certeza a cada dia, a cada passo, cada sorriso, cada beijo.
Vem o desejo de que as horas voem quando longe. Parem quando aqui.
Aprendi que nada vem do acaso
E o compasso do peito marca o tempo, entrega a ânsia.
E se sustenta esse "destino", lado a lado, a cada dia.

quinta-feira, 14 de junho de 2012

silencie

E é como se todo o resto do mundo silenciasse de verdade, ao receber o som mais incrível vindo da sua boca, e como na mais suave canção que merece nunca ter fim, é quando me perco em pensamentos e rimas mais completamente dispersas tentando descrever cada um desses momentos.

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Faz dos meus dias versos Da minha vida melodia O seu sorriso quando soa Todo o resto silencia Eu te vejo nos meus sonhos Te desejo noite e dia Pensamento voa ao encontro do seu Numa rara simetria E seus olhos são a estrada Que me leva pra qualquer lugar Como se já não houvesse nada Além de você e eu... *-*
Deixei passar o tempo Carregado de saudade Inspirado em nada, enfim. Nem falei sobre ninguém, nem falei de mim. E pensei por muito tempo Por segundos intermináveis daqueles dias de 72 horas Que se vão e vão com a falta de você aqui.

terça-feira, 12 de junho de 2012

Agora eu sei que você sabe da minha existência. E talvez por esta carência da sua atenção, eu volto com os versos soltos em prosa e em sentimento, trazendo bem menos lamentos, por saber que está aqui. E está tão perto, há quilômetros e quilômetros de saudade. E da vontade insistente que bate à minha porta de tempo em tempo. Vento... Traz sempre com ele um cheiro de qualquer coisa que me parece ser teu. E traz mais lembrança e saudade e leva com ele o meu pensamento. E é certo que te encontra, tal qual tamanha força que se vai. E parece não voltar mais, porque pertence a qualquer lugar que não seja eu.

segunda-feira, 4 de junho de 2012

aqui.

Fique mais, tome assento. Conte-me sobre a sua vida ao meu lado e como te faço bem. E me fale sobre como é sorrir de olhos fechados. E como todas essas cócegas te fazem ainda melhor! Me fale sobre como é chorar por algo que não lhe pertence. E sentir culpa em nome do que não existe. Me fale sobre a chuva e como é tê-la por tanto tempo em seu corpo. E me deixe vê-la dormir... *-* tão suavemente perfeita. Conte-me mais sobre sentir saudades em 9 dias. E fazer tudo ser tão perfeito, como se fosse por um longo tempo... Informe a todos dos seus sentimentos. Grite bem alto, em silêncio tudo que lhe convém. E cante *-* desafinadamente, loucamente, apaixonada. CANTE!

de você.

Me peguei pensando em mim hoje. E olhe, isso é raro. Eu pensei em pensar mais em você, pra me fazer sentir bem. E ocupar um espaço só meu na minha própria vida. E pensei em correr pra debaixo da chuva, de novo, e de lá nunca mais sair.. Mas apenas se pudesse te encontrar. E te beijar em meio ao nada, como se soassem sirenes e fogos e brilhassem as luzes mais lindas e fortes que podem existir. Sem plateia, sem olheiros, sem todo o resto do mundo além de você. E olhe, eu andei pensando em mim. E em como só você sabe me fazer bem. E em como consegui escolher por fazer o que EU queria. Muito embora pareça aos olhos dos outros que sou de alguém. Eu sou minha, e você sou eu.