sexta-feira, 21 de julho de 2017

quarta-feira, 19 de julho de 2017

E se eu tivesse asas? Perguntaram-me.
Prontamente, respondi que voaria pra perto dela.
Que devaneio!
Mal a conheço,
Muito embora pareça eternidade.
Vidas que atravessaram, fazendo reencontrarmo-nos
E, fazendo, não sei porque, ela partir no mesmo instante.
Não sei se questiono o motivo,
Ou aceito o 'destino'.
Mas eu voaria, juro que sim, praqueles' braços.

Dei a ti toda minh'alma.
E dei sem pedir nada em troca
Sem esperar teu sim.
Que veio, discreto e não dito.
Entrelinhas da minha cabeça.
Por entre nossos poemas,
Entre canções e versos
Na despedida e na saudade.
Veio na ânsia de te encontrar
Mesmo que pela última vez,
Por um último abraço.
Por um beijo, acebolado.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Uma alegria para sempre - Mario Quintana

As coisas que não conseguem ser 
olvidadas(esquecidas) continuam acontecendo. 
Sentimo-las como da primeira vez, 
sentimo-las fora do tempo, 
nesse mundo do sempre onde as 
datas não datam. Só no mundo do nunca 
existem lápides... Que importa se – 
depois de tudo – tenha "ela" partido, 
casado, mudado, sumido, esquecido, 
enganado, ou que quer que te haja 
feito, em suma? Tiveste uma parte da 
sua vida que foi só tua e, esta, ela 
jamais a poderá passar de ti para ninguém. 

Há bens inalienáveis, há certos momentos que, 
ao contrário do que pensas, 
fazem parte da tua vida presente 
e não do teu passado. E abrem-se no teu 
sorriso mesmo quando, deslembrado deles, 
estiveres sorrindo a outras coisas. 
Ah, nem queiras saber o quanto 
deves à ingrata criatura... 
A thing of beauty is a joy for ever (uma coisa bela é uma alegria para sempre)
disse, há cento e muitos anos, um poeta 
inglês que não conseguiu morrer.

Sejamos a alegria pra alguém que "atravessou" nossa vida
Naquela noite quente, de puro êxtase.
"Onde as datas não datam" mas fizeram valer cada segundo.
E, mesmo que "ela tenha partido, casado, mudado, sumido, esquecido, enganado"...
Que carregue a lembrança daquelas canções.
Daquele tom, desafinado, desconsertado por seus olhos, certeiros.
Atirando todo o seu charme pra cima de mim.
Jogando com dança e graça.
Um jogo que parece nunca ter fim
O de se apaixonar pela pessoa certa, na hora errada.
Encontros desencontrados que a vida me arranja.
E, quem sabe, me traga de volta
Aquela menina.
Ou quem sabe seja mesmo sina.
Andar por aí, só.




sexta-feira, 14 de julho de 2017

I wish you were here.

Quem era aquela menina
Que dançava, lindamente,
Numa vibe toda dela,
despretensiosamente?
Me prendeu no seu sorriso,
No seu gingado, quente.
Ai menina, que maldade
Ir embora pra bem longe.
Já me deixou com saudade
Da confusão da sua vida
Misturada na minha.

terça-feira, 11 de julho de 2017

juventude.

Mal sabia você
Da minha armadilha
Enquanto traçava seu plano
Que na verdade foi falho
Puro engano
Achar que ia me envolver.
Pensar que eu ia querer
Entrar nessa teia
Desavisada,
Sem ganhar nada
Além de superficiais arranhões.
Eu tava era à sua frente
Com todo o jogo criado
Com as peças a meu favor
Com a vitória garantida.
Desprevenida,
Sua juventude já me visitou
Há tempos!


quinta-feira, 6 de julho de 2017

esquisita.

Olhar fixo
Um sorriso, tímido.
Um estalo.
No peito, na cuca.
Maluca sensação
De estar sendo despida.
Invadida pelos seus olhos.
Menina esquisita
Tão meiga e bonita.
Me pôs a sorrir.
Me fez refletir sobre ser.
Sobre te fazer ser.
O que talvez já seja
E ainda não saiba.

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Sobre a angústia que nem sei qual é.
Uma pressa de chegar a lugar algum.
Como se o tempo não fosse aliado.
Mas, inimigo.


Sou.

Eu sou gota
Poeira, quase invisível.
Sou um pedaço do que nem há.
Um pequeno fragmento de meteoro.
Pó de estrela cadente.
Sou desespero.
Gritos de dor e medo,
Sou chuva e brisa, incessante.
Sou vapor e gelo.
Nada e tudo
Sede e fome.
Eu sou cor, arco íris.
E sou escala de cinza.
Sou paixão,
Ardência!
Malícia e inocência.
Eu sou um vulcão dormindo.
Que entra em erupção todo dia.
Sou uma criança mimada
Madura tal qual anciã.
Sou afeto, sou abraço
Desequilíbrio, equilibrado.
Sou silêncio, sou música.
Sou fé e liberdade.
Sou verdade e mentira
Desejo e indiferença.
Eu sou crença e ateísmo.
Sou um abismo e caio
No meu próprio labirinto
Me perco.
E me acho, tal qual poeira que sou.

domingo, 2 de julho de 2017

Ah, como tu é linda, menina.
Teus olhos, tua boca.
Tudo tão doce, suave
Que foi me prendendo,
Foi me levando, devagar e constante,
Pra longe de todo mundo,
De todas as coisas ruins.
Parece que viajei eternidade pra te achar de novo em vida.
Por que eu te reconheci pelo toque, pelo tato.
E, talvez, seja isso mesmo.

Valeu cada segundo de espera. 💙 #gratidão por esse momento.

sexta-feira, 30 de junho de 2017

Dyana

Menina branquinha, de pele marcada
Por suas emoções, afloradas.
Sensível, mimada.
Ela é uma doçura, apimentada!
Tá ali, todos os dias
Me olhando, de alguma forma
Me lendo, me desvendando
Cada uma das minhas vírgulas.
E mesmo que não entenda nada,
Aguçada pela curiosidade me ler.
De estar ali, ao meu lado
Frente a frente, cara a cara comigo.
Com meus pensamentos.
É uma espécie de anjo
Que me acompanha diariamente.
Minha amiga, minha irmã.
Pedaço de alma que habita outro corpo.
Sou grata, todos os dias pela tua existência.

Feliz, feliz aniversário! ♥
Meu sorriso é fácil quando tu te aproximas
Teu abraço, quente.
Minha expectativa é um furacão.
Vontade que nunca morre.
E, quando chegaste ontem com tua leveza
Com tua malícia, provocação nada discreta.
Me fizeste acreditar no teu desejo mais oculto.
Quimera.
Pudera eu, contemplar teus lábios.
Como naquele sonho em que tu mesma me procuraste.
Um dia... Ah, como eu te espero. ♥


quinta-feira, 29 de junho de 2017

Tá na hora, tá na hora!
De mudança, de novidade, de segurança!
Tá na hora de agarrar minha própria mão e me levar.
Correr, pra bem longe, pra dentro do meu próprio ser.
Pra ver bem de perto todas as borboletas no estômago,
Todos os fios de cabelo que se arrepiam.
Tá na hora de tomar um rumo.

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Falávamos sobre ela, que na verdade era eu.

Permitam-me apresentar a menina dos olhos de mel.
Que sonha ser atriz, pra viver qualquer papel sem ser julgada.
Que sonha dançar sem música, debaixo de chuva, acompanhada.
Escreve pra ninguém ler, só pra ter depósito das suas peças.
Menina que vai e vem, e nunca sai do lugar
Por que tem medo de ser exatamente tudo o que sonha.
E sonha alto, voa longe, se perde e se encontra a todo instante.
Com ela mesma, com seu querer inconstante.
Que se apaixona em toda esquina,
Que quebra a cara em cada passo.
Permitam-me dizer que ela é feita de música,
Que cada célula do seu corpo é um lá maior, um dó menor.
São notas que vão se dando em um corpo só,
Fazendo a canção fluir.
Que ela é rock, é bossa nova, é um pouco funk.
É carnaval e é samba.
Ela é um turbilhão de emoções.
Esconde a dor, chora de rir, ri até doer a barriga.
Fica vermelha, ela é tímida.
E ela é quente!
Arde em seus pensamentos.
Explode em suas atitudes.
Exagera em tudo, no riso, no drama, no romantismo e até numa doçura discreta.
Aprendeu a dizer não, mas prefere o sim, o tempo todo ela "agrada" ao mundo.
E se desagrada muitas vezes, mas bem menos que antes e, nada, num futuro bem próximo.
Ela sofre calada, silencia tão rápido que se perde nesse meio tempo de fala e mudez.
Suas marcas de expressão jamais a deixam mentir ou disfarçar uma reação.
Ela se entrega.
Aos amores, aos amigos.
Deixa sempre claro o seu afeto.
Abraça com alma, envolve seu corpo num outro como se quisesse trocar de lugar.
Como se o espírito dela pudesse viajar pra dentro do outro e plantar um bom sentimento.
E, buscar também uma semente de novidade de dentro do outro.
Ela adora ser desafiada.
Age com gana quando sente a pressão de se mostrar de alguma forma.
Sonha conhecer o mundo e sente que está perto de dar o primeiro passo.
Como faz, todos os dias, em tantos pequenos atos.
Não esconde sentimentos, não poupa carícias.
Maliciosa, fala coisas ao ouvido, às vezes em pensamento,
Sabendo exatamente o que o outro quer escutar.
Persuasiva, de fato.
De alguma forma, que nem ela sabe explicar.
Convence com um gesto.
Ah! Ela é de escorpião.
Se encaixa muito bem nessa onda "perigosa" de mistério.
Não foge da briga, às vezes perde a compostura,
Mas nunca a chance de se vingar.
Meio possessiva, ela acha que tem o controle.
Ai, pobre menina, desavisada que nunca teve o controle de nada!
E ainda surpreende, com seus recomeços.
Sonhava chegar aos 30 com o sucesso completo.
O tempo está passando e é do zero que ela parte agora.
Sonha em ser grande, mas ainda age pequeno.
Um dia ela aprende a ser mais, a ser tudo que ela sabe que é capaz
Mas insiste em não acreditar.


Gostaria de encontrar as palavras perdidas em mim.
Mais que isso, encontrar em ti a resposta.
Devaneio!
Tudo o que eu preciso, está aqui dentro.

Sorria Gyca. ♥

Espera!
Perdemos alguma parte da história.
Suspeitamos uma da outra nessa curva perigosa.
No final, não era nada.
Era tudo aquilo que jamais será.
Foi na dúvida que encontramos a certeza.
Seguimos amando um ao outro, 
Na insanidade da busca pelo sigilo da estrada que nem sabemos como entramos.
De onde jamais sairemos. 
Sinceridade doída.
Aqueles gigantes olhos não me deixam desviar.
Não me permitem olhar pupilas tão dilatadas.
Me assombram, me prendem.
Me libertam das minhas próprias armadilhas. 
Seguiremos, adiante, em frente,
Como se nada fosse tudo,
Como se tudo fosse mais um pouco de qualquer coisa.
Muito de nada que não me sai da cabeça.



segunda-feira, 26 de junho de 2017

Quero alguém pra segurar minha mão
Não os meus medos, nem minha dor,
Alguém que me agarre firme à mão.
Que me segure no mais puro sentimento
Que me permita
Que se permita.
Quero alguém livre de insegurança,
Isso me basta.
Alguém que voe mais alto e me leve
Num pensamento, numa conversa
Numa viagem, louca, sem rumo.
Quero um colo gostoso,
Que não me exija nada em troca,
Além do meu colo também.
Quero um bom filme, sem pipoca.
Um jantar sem velas,
Sem flores.
Quero um bom vinho,
Música boa de fundo,
Troca de olhares em primeiro plano.
Quero mais dias de sol,
De violão, mesmo que sem acordes.
Quero acordar ao seu lado.
Te ver dormir,
Dividir seus mais variados sonhos.
Multiplicar seu riso
Sua imagem em meu pensamento.
Quero.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Desculpe, seguirei te amando.

Te daria minha melhor desculpa nesse momento,
Mas seguirei te amando.
Te daria a chance de se arrepender, de voltar atrás, de desistir,
Mas seguirei aqui, esperando por sua volta.
Eu cantaria mais uma dúzia de canções, desafinada,
Pra te ver sorrir, em meio às lágrimas de saudade.
Juntaria cada um dos cacos, que eu mesma causei em teu peito
Pra que me perdoasse pela inconsequência.
Eu juro que seria diferente,
E ao mesmo tempo seria exatamente igual.
Jamais mudaria uma vírgula da nossa insanidade.
Que não teve começo,
Mas que, provavelmente, chegou ao final.
Sorry.

terça-feira, 20 de junho de 2017

A saudade é como um céu azul pintado de nuvem cinza.
É tipo o passarinho, que na verdade é coração voando de um peito ao outro, de galho em galho, sem ter morada, mas com casa certa pra sempre voltar.
É te ver e não poder fazer nada, além de olhar.
É sentir uma dor infinita que parece nunca ter fim.
É colher flores pra deixar morrer.
Subir escadas que não te levam a lugar nenhum.
Ser expert na arte de amar só.
Dói sentir saudade,
Mais que isso, não poder matá-la.

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Sonhei

Sonhei com você,
Acordei com saudade do seu abraço
Do toque
E até do beijo que nunca dei.
Pude sentir tua presença,
Quase que de verdade.
Chegou no meio da chuva,
Sem convite, como deveria ser,
E ficou, pra nunca mais ir embora.
Quem dera não fosse sonho,
Quem dera realizar.
Mas penso que nem no melhor dos pesadelos
Nossa história terá final feliz.
Aliás, talvez, nem começará.

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Nua

Vou me despir em poemas
Mostrarei o meu ser, como um todo
Minha pureza e minha maldade.
Serei inteira, de dentro pra fora
E de fora, o que se vê, nem sempre é o que parece.



terça-feira, 13 de junho de 2017

Levei um tiro no peito
Daqueles que mata na hora
Sem dor, sem sentir.
Um tiro que veio do fundo dos seus olhos
De dentro da sua alma
Uma pedrada na cabeça
Que me deixou tonta
Que me fez acordar,
Que me pôs a sonhar novamente.



Viajamos primaveras
Descobrimos horizontes
Conhecemos novos rumos
Amores e desamores.
Dissabores que a vida trouxe
Lições que nos machucaram
Que nos ensinaram a seguir adiante.

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Cai, pode cair, mas levanta!

A gente tropeça,
Cai, rasga o jeans,
Rala o joelho,
Levanta, dá aquela "batidinha"
Olha para os dois lados,
Dá uma risadinha amarela,
E segue adiante!
Carrega uma marca, talvez para o resto da vida,
Mas a dor vai passando,
Dia após dia,
Até acabar de vez.

quarta-feira, 7 de junho de 2017

E se...

Se eu te perguntar se ela te faz feliz
Se eu chorar
Se amanhã doer um pouco menos saber de ti.
Se eu fingir
Se me apaixonar!
Se eu trocar sua foto do porta retrato.
Se eu quiser fugir
Se eu tentar correr
Se nossos caminhos se cruzarem.
Se eu desviar.
Se chover, ou der sol
Se o avião decolar
Se as estrelas tomarem o céu novamente.
Se eu morrer, se tu morreres.
Se o tempo parar.
Se o tempo voar!
Se um dia fizer sentido
Se pudéssemos apagar...

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Um pouco mais

Doeu um pouco mais
Rever os seus olhos em sonho
Rever sua boca, beijando outra boca
Que não a minha.
Sofri, em silêncio.
Pois nada do que eu dissesse mudaria
E nada apagaria aquele momento.
Sofri um pouco mais
Dessa dor que vai passando
Aos poucos, um pouco mais.

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Não tenha pressa, menina.
Tudo ao seu tempo.
Tudo acontece como deve ser
Mesmo quando não queremos
Mesmo quando queremos muito.
Talvez não seja da maneira que esperamos
Mas vamos buscar entender,
Aceitar que é mesmo assim.
Começo, meio e fim.
Não e sim.
E só assim teremos paz dentro de nós.
Porque podemos escolher sofrer,
E podemos, simplesmente, não sofrer.
Vai passar, com dor ou não.
Vai mudar, vai chegar e vai sair,
Vai ter riso e vai ter lágrima, obviamente.
Mas o importante, mesmo, é seguir em frente!

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Silêncio.
A TV emudeceu,
Calamo-nos por alguns instantes
Nada mais existia além de nós.
Além da história que nunca começou
Que jamais haverá de terminar.
Suspiros,
Os corpos se procurando
Buscando calor e afago.
Amargo, sabor do chocolate
Que sobrou todo no prato
E o trato da hora certa pro fim de nós.
Findamos então,
Como deveria ser
Desde o primeiro sim,
Desde o nosso último adeus.

terça-feira, 16 de maio de 2017

Sabe quando a vida da gente tá descendo
Numa constante
Tudo parece dar errado, a gente despenca sem parar
As coisas vão mal,
Amores acabam
Amigos vão embora
Parece que, absolutamente, nada dá certo.
Até que você olha para o lado.
O dia tá lindo
O sol tá brilhando
É meio de mês e ainda tem uns trocados
Tenho um emprego, casa e comida
Tenho dois empregos, aliás.
E, sabe, que ser sozinho às vezes é bom.
É estar consigo mesmo de volta
Reconectar-se com o mundo
Conversar com pessoas, sem compromisso
Conhecer gente nova,
Reencontrar gente "velha".
Ainda dói
Mas aos poucos a gente se encontra de novo
Se apaixona de novo
Se refaz, ainda melhor.

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Abre teus olhos pro mundo, menina
Abre teu sorriso doce
Contarei cada uma das estrelas de tua constelação particular.
Contarei teus segredos aos céus.
Abre teu peito, menina
Abre tua voz desafinada
Gargalhada gigante
Exagero de gente.
Exagera tua vida, menina
Aproveita cada instante
Que essa gente mal vivida
Inveja tua coragem.
Menina, tu és poesia pura
Tuas fotos, teus lábios
Tuas cores e formas
Nem te conheço, menina
Só sei de teus interesses
Pelo lado mais belo das coisas
De ti, só sei o endereço
Pelos registros de tua lente
Só sei de teus desamores
Porque tropeçam nos meus.
Sei de ti, menina
Que não sabes nada sobre mim também.
E, talvez, um dia tua vida esbarre na minha
E eu saiba mais até do que gostaria
E tu descubras, também, mais de mim.
E deixarás então de ser poesia,
Passarás a ser a canção
Que hei de cantar todo dia.

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Sentimento tiquetaqueando em meu peito.
Cabeça voando, fazendo contas.
Fazendo de conta que tudo está bem.
E tem que estar mesmo, nada mais justo comigo.
Chegada a hora do recomeço.
Desapego.
Estão me tirando tudo o que tenho, que nunca foi meu.
Quero acreditar que seja para ter o que me pertence, de fato.
Para sorrir de novo, sem que seja de desespero.

O mundo resolveu me tirar tudo o que tenho!
Deus, qual a provação???
Por favor, mostre-me o caminho, pois já não sei para onde ir!

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Sonhei com você esta noite,
Voltamos a nos amar,
Nunca deixamos...
E acordei com um vazio tão grande,
Acordei com saudade do seu cheiro
Do seu corpo, entrelaçado ao meu.
Acordei sentindo frio,
Sentindo falta da tua pele.
Não é fácil te perder pro mundo.

domingo, 30 de abril de 2017

Tu és feliz de verdade,
Como imaginou que seria
Ao andar por ai sozinha,
Rodeada de gente?
Estes lugares novos que tens frequentado,
Te preenchem como gostarias?
Desejo mesmo que sim.
Espero que te encontres dentro de ti,
Diante desse novo mundo que tens descoberto.
Só queria fazer parte dos teus planos,
Como sempre fizeste dos meus.
Dói ser descartado.
Como é incrível a nossa sintonia!
Mesmo sem saber da Minha dor,  escreveu exatamente tudo o que eu precisava ler.

Por Josias Zanchetta.

Animus e desanimus

Não negocio versos com a dor
Tampouco faço deles carnavais.

Entrego sorrisos
Protejo lágrimas.

No pequeno espaço entre corpo e alma
Deixo soprar  vento no oco
Para ouvir pífaros confusos
E Celebrações ao desconhecido.

Não era o sopro paterno criador de alma
Era só mais uma tempestade
Que optei por não sobreviver
Esperando por um acaso que desfaleceu
Em combate com a soberania.

Desisti de machucar a dor
Preferi fazer dela infindáveis festivais de esperança.
Desisti de enxugar as lágrimas
Preferi bebê las para ter mais sede.

Só não desisto de transbordar o riso...
É com ele que inundo os nômades traiçoeiros.
Não desisto de cantar sem plateia
De pintar molduras ao invés da tela
Usar óculos escuros em dias nublados
Usar tênis sujos e cadarços desamarrados
Comprar pão sem fome
Decorar sobrenome ao invés do nome.

sexta-feira, 28 de abril de 2017

Aos poucos vamos assimilando o fim
Não nadamos mais contra a corrente
Não lutamos mais pra ter o que já perdemos.
Vamos nos recompondo
As lágrimas vão secando.
Entendemos que é chegada a hora
Da partida, do desapego, da amizade como sempre foi, mas agora é, de fato.
Um dia de cada vez, um passo atrás do outro.
Pra não nos perdemos nesse caminho
De recomeço.

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Essa madrugada quase me matou.
De frio, de dor.
Quase morri no desespero da solidão.
O zumbido em meus ouvidos foi como nunca antes.
Pesadelos vieram a tona, não mais que a certeza de te perder.
Aos poucos vou reconstruindo, eu sei.
Hoje, ainda não.
Cada passo é um novo começo.
Cada curva é um desafio.
E, sozinha, as coisas parecem mais difíceis.
Muito embora eu tenha apoio de todos os lados, já vi que não estou tão só.
Tempo, tempo, meu camarada, passe!
Leve contigo essa dor, esse medo de recomeço.
Leve contigo essa angústia de não poder.
Tempo, reconecte-me comigo mesma.
Fortaleça-me!

quarta-feira, 26 de abril de 2017

25/04/2017

É chegado o nosso fim.
Entre os mesmos dias do começo, inversa ironia.
Infeliz surpresa a minha, que já esperava pelo seu desamor.
Os dias foram nos esfriando e antes que o verão pudesse voltar para aquecer nossos corações,
O inverno prevaleceu.
Congelamos nossos sentimentos, uns por vontade, outros por obrigação.
E a dor que se aloja em meu peito parece que vai me levar dessa vida.
Parece que ainda é um sonho, o pior dos meus pesadelos.
Perdi o controle das lágrimas, perdi o controle de tudo que, talvez, nunca tive.
Gostaria muito de entender o que houve, qual extremo te fez parar.
Queria que a nossa primavera fosse mais forte que o outono.
Que a beleza das flores falasse mais alto.
Mas tudo o que ouço é chuva! É temporal.

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Yes, I can!

O primeiro passo foi dado,
Seguirei adiante agora!
Só preciso buscar cada um dos meus sonhos.
Sem que ninguém me interrompa, me amedronte, me coaja.
Eu sou maior do que qualquer obstáculo.

sexta-feira, 31 de março de 2017

Ansiosa pelo momento em que vamos celebrar a sua vinda.
Tão esperado amor que só cresce em nós.
Que ainda nem existe
Que talvez já seja.
Dezembro, me pule!!

terça-feira, 28 de março de 2017

Até que ponto somos bons o suficiente?


Tenho me questionado o tempo todo sobre isso.
Fiz o que foi possível, talvez até o que não foi pra alcançar o objetivo de (...)
Peraí! Qual era o objetivo? E os motivos pelos quais "lutei"?...
Volto a me perguntar o que é certo, afinal.
O quanto errei comigo mesma, querendo algo que não era meu.
Correndo atrás de um "sonho" que parece ter acabado há tempos.
Já fui arrancada de lá. Não tenho motivo algum para voltar.
Eu busquei cada gota de possibilidade.
Parece que não fui suficientemente boa.

sexta-feira, 24 de março de 2017

Deliciem-se!

Desfrutem desses poemas
Das palavras que aos poucos vem
Dos segredos que ninguém conta
Da saudade que todos têm.

Sonhem com o futuro
Pensem em querer mais
Voltem se for preciso
Nunca é tarde pra olhar pra trás.

Lute com suas forças
Queira, intensamente.
Ninguém vai viver seus medos.

Ninguém vai sonhar seu sonho,
Nem mesmo te compreender
Porque a vida é curta demais.
O legal de ficar tanto tempo sem postar é que as visualizações das postagens anteriores "bombam", porque não tem novidade pra ver. HAHAHA
O triste é não saber mais escrever. /hmm

Escolhi dar um passo à frente, que me levaria para 2 anos atrás, aproximadamente.
Não fui correspondida, como gostaria, não sei se é bom ou ruim.
Deixei de lado tudo o que me disseram, tudo o que fizeram contra a minha volta.
Deixei de lado a minha própria opinião, às vezes, pois sei que talvez não seja o certo a fazer.
Mas eu quis voltar!
Quis lutar pelo final do "sonho" que ainda não poderia ter acabado. Não daquela maneira.
Talvez eu me prenda demais ao passado, talvez ele nem me leve aonde pretendo ir, mas eu preciso testar a mim mesma, minha vontade nesse momento de fazer de novo o que talvez não devesse ter deixado pra trás.
E, tudo o que eu queria era uma simples resposta de e-mail.
Um simples, VOLTE, ESTOU DISPONÍVEL.
As coisas não são tão simples quanto podem parecer. Quanto deveriam ser.
Meu futuro profissional ficou meio em stand by devido às escolhas, aos planos e mudanças deles.
Mas porque não poderia recomeçar?
Infelizmente, não depende só de mim, aliás, talvez, o que poderia fazer, eu fiz.
Da minha forma, insegura, amedrontada, (que bosta ser assim) mas fiz.
Que tal confiar, né? Deixar essa apreensão toda pra lá.
Quem sabe esse seja meu futuro mesmo, aceitar a chance que me foi dada. Viver o agora e pensar daqui por diante em melhorar pelo que tenho feito.
Vamos com fé, que a fé não costuma falhar.

E como seria?

Nossa, tanto tempo sem postar que fui bloqueada logo na chegada por aqui. (risos)


Como seria se tudo isso desse certo?
Se nossos planos se concretizassem e aumentássemos entre nós?

Como seria acordar mais cedo, dormir mais tarde, não dormir?
Chegar atrasado, com cara de sono, gastar na farmácia bem mais que no bar.

Estou tão nervosa, ansiosa, aflita, confiante, estressada, complexa, bem mais que o normal.

Que o universo nos diga SIM, como sempre fez.

Me embala em teus versos, Poesia minha vida. Melodia minh'alma.