sexta-feira, 30 de junho de 2017

Dyana

Menina branquinha, de pele marcada
Por suas emoções, afloradas.
Sensível, mimada.
Ela é uma doçura, apimentada!
Tá ali, todos os dias
Me olhando, de alguma forma
Me lendo, me desvendando
Cada uma das minhas vírgulas.
E mesmo que não entenda nada,
Aguçada pela curiosidade me ler.
De estar ali, ao meu lado
Frente a frente, cara a cara comigo.
Com meus pensamentos.
É uma espécie de anjo
Que me acompanha diariamente.
Minha amiga, minha irmã.
Pedaço de alma que habita outro corpo.
Sou grata, todos os dias pela tua existência.

Feliz, feliz aniversário! ♥
Meu sorriso é fácil quando tu te aproximas
Teu abraço, quente.
Minha expectativa é um furacão.
Vontade que nunca morre.
E, quando chegaste ontem com tua leveza
Com tua malícia, provocação nada discreta.
Me fizeste acreditar no teu desejo mais oculto.
Quimera.
Pudera eu, contemplar teus lábios.
Como naquele sonho em que tu mesma me procuraste.
Um dia... Ah, como eu te espero. ♥


quinta-feira, 29 de junho de 2017

Tá na hora, tá na hora!
De mudança, de novidade, de segurança!
Tá na hora de agarrar minha própria mão e me levar.
Correr, pra bem longe, pra dentro do meu próprio ser.
Pra ver bem de perto todas as borboletas no estômago,
Todos os fios de cabelo que se arrepiam.
Tá na hora de tomar um rumo.

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Falávamos sobre ela, que na verdade era eu.

Permitam-me apresentar a menina dos olhos de mel.
Que sonha ser atriz, pra viver qualquer papel sem ser julgada.
Que sonha dançar sem música, debaixo de chuva, acompanhada.
Escreve pra ninguém ler, só pra ter depósito das suas peças.
Menina que vai e vem, e nunca sai do lugar
Por que tem medo de ser exatamente tudo o que sonha.
E sonha alto, voa longe, se perde e se encontra a todo instante.
Com ela mesma, com seu querer inconstante.
Que se apaixona em toda esquina,
Que quebra a cara em cada passo.
Permitam-me dizer que ela é feita de música,
Que cada célula do seu corpo é um lá maior, um dó menor.
São notas que vão se dando em um corpo só,
Fazendo a canção fluir.
Que ela é rock, é bossa nova, é um pouco funk.
É carnaval e é samba.
Ela é um turbilhão de emoções.
Esconde a dor, chora de rir, ri até doer a barriga.
Fica vermelha, ela é tímida.
E ela é quente!
Arde em seus pensamentos.
Explode em suas atitudes.
Exagera em tudo, no riso, no drama, no romantismo e até numa doçura discreta.
Aprendeu a dizer não, mas prefere o sim, o tempo todo ela "agrada" ao mundo.
E se desagrada muitas vezes, mas bem menos que antes e, nada, num futuro bem próximo.
Ela sofre calada, silencia tão rápido que se perde nesse meio tempo de fala e mudez.
Suas marcas de expressão jamais a deixam mentir ou disfarçar uma reação.
Ela se entrega.
Aos amores, aos amigos.
Deixa sempre claro o seu afeto.
Abraça com alma, envolve seu corpo num outro como se quisesse trocar de lugar.
Como se o espírito dela pudesse viajar pra dentro do outro e plantar um bom sentimento.
E, buscar também uma semente de novidade de dentro do outro.
Ela adora ser desafiada.
Age com gana quando sente a pressão de se mostrar de alguma forma.
Sonha conhecer o mundo e sente que está perto de dar o primeiro passo.
Como faz, todos os dias, em tantos pequenos atos.
Não esconde sentimentos, não poupa carícias.
Maliciosa, fala coisas ao ouvido, às vezes em pensamento,
Sabendo exatamente o que o outro quer escutar.
Persuasiva, de fato.
De alguma forma, que nem ela sabe explicar.
Convence com um gesto.
Ah! Ela é de escorpião.
Se encaixa muito bem nessa onda "perigosa" de mistério.
Não foge da briga, às vezes perde a compostura,
Mas nunca a chance de se vingar.
Meio possessiva, ela acha que tem o controle.
Ai, pobre menina, desavisada que nunca teve o controle de nada!
E ainda surpreende, com seus recomeços.
Sonhava chegar aos 30 com o sucesso completo.
O tempo está passando e é do zero que ela parte agora.
Sonha em ser grande, mas ainda age pequeno.
Um dia ela aprende a ser mais, a ser tudo que ela sabe que é capaz
Mas insiste em não acreditar.


Gostaria de encontrar as palavras perdidas em mim.
Mais que isso, encontrar em ti a resposta.
Devaneio!
Tudo o que eu preciso, está aqui dentro.

Sorria Gyca. ♥

Espera!
Perdemos alguma parte da história.
Suspeitamos uma da outra nessa curva perigosa.
No final, não era nada.
Era tudo aquilo que jamais será.
Foi na dúvida que encontramos a certeza.
Seguimos amando um ao outro, 
Na insanidade da busca pelo sigilo da estrada que nem sabemos como entramos.
De onde jamais sairemos. 
Sinceridade doída.
Aqueles gigantes olhos não me deixam desviar.
Não me permitem olhar pupilas tão dilatadas.
Me assombram, me prendem.
Me libertam das minhas próprias armadilhas. 
Seguiremos, adiante, em frente,
Como se nada fosse tudo,
Como se tudo fosse mais um pouco de qualquer coisa.
Muito de nada que não me sai da cabeça.



segunda-feira, 26 de junho de 2017

Quero alguém pra segurar minha mão
Não os meus medos, nem minha dor,
Alguém que me agarre firme à mão.
Que me segure no mais puro sentimento
Que me permita
Que se permita.
Quero alguém livre de insegurança,
Isso me basta.
Alguém que voe mais alto e me leve
Num pensamento, numa conversa
Numa viagem, louca, sem rumo.
Quero um colo gostoso,
Que não me exija nada em troca,
Além do meu colo também.
Quero um bom filme, sem pipoca.
Um jantar sem velas,
Sem flores.
Quero um bom vinho,
Música boa de fundo,
Troca de olhares em primeiro plano.
Quero mais dias de sol,
De violão, mesmo que sem acordes.
Quero acordar ao seu lado.
Te ver dormir,
Dividir seus mais variados sonhos.
Multiplicar seu riso
Sua imagem em meu pensamento.
Quero.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Desculpe, seguirei te amando.

Te daria minha melhor desculpa nesse momento,
Mas seguirei te amando.
Te daria a chance de se arrepender, de voltar atrás, de desistir,
Mas seguirei aqui, esperando por sua volta.
Eu cantaria mais uma dúzia de canções, desafinada,
Pra te ver sorrir, em meio às lágrimas de saudade.
Juntaria cada um dos cacos, que eu mesma causei em teu peito
Pra que me perdoasse pela inconsequência.
Eu juro que seria diferente,
E ao mesmo tempo seria exatamente igual.
Jamais mudaria uma vírgula da nossa insanidade.
Que não teve começo,
Mas que, provavelmente, chegou ao final.
Sorry.

terça-feira, 20 de junho de 2017

A saudade é como um céu azul pintado de nuvem cinza.
É tipo o passarinho, que na verdade é coração voando de um peito ao outro, de galho em galho, sem ter morada, mas com casa certa pra sempre voltar.
É te ver e não poder fazer nada, além de olhar.
É sentir uma dor infinita que parece nunca ter fim.
É colher flores pra deixar morrer.
Subir escadas que não te levam a lugar nenhum.
Ser expert na arte de amar só.
Dói sentir saudade,
Mais que isso, não poder matá-la.

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Sonhei

Sonhei com você,
Acordei com saudade do seu abraço
Do toque
E até do beijo que nunca dei.
Pude sentir tua presença,
Quase que de verdade.
Chegou no meio da chuva,
Sem convite, como deveria ser,
E ficou, pra nunca mais ir embora.
Quem dera não fosse sonho,
Quem dera realizar.
Mas penso que nem no melhor dos pesadelos
Nossa história terá final feliz.
Aliás, talvez, nem começará.

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Nua

Vou me despir em poemas
Mostrarei o meu ser, como um todo
Minha pureza e minha maldade.
Serei inteira, de dentro pra fora
E de fora, o que se vê, nem sempre é o que parece.



terça-feira, 13 de junho de 2017

Levei um tiro no peito
Daqueles que mata na hora
Sem dor, sem sentir.
Um tiro que veio do fundo dos seus olhos
De dentro da sua alma
Uma pedrada na cabeça
Que me deixou tonta
Que me fez acordar,
Que me pôs a sonhar novamente.



Viajamos primaveras
Descobrimos horizontes
Conhecemos novos rumos
Amores e desamores.
Dissabores que a vida trouxe
Lições que nos machucaram
Que nos ensinaram a seguir adiante.

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Cai, pode cair, mas levanta!

A gente tropeça,
Cai, rasga o jeans,
Rala o joelho,
Levanta, dá aquela "batidinha"
Olha para os dois lados,
Dá uma risadinha amarela,
E segue adiante!
Carrega uma marca, talvez para o resto da vida,
Mas a dor vai passando,
Dia após dia,
Até acabar de vez.

quarta-feira, 7 de junho de 2017

E se...

Se eu te perguntar se ela te faz feliz
Se eu chorar
Se amanhã doer um pouco menos saber de ti.
Se eu fingir
Se me apaixonar!
Se eu trocar sua foto do porta retrato.
Se eu quiser fugir
Se eu tentar correr
Se nossos caminhos se cruzarem.
Se eu desviar.
Se chover, ou der sol
Se o avião decolar
Se as estrelas tomarem o céu novamente.
Se eu morrer, se tu morreres.
Se o tempo parar.
Se o tempo voar!
Se um dia fizer sentido
Se pudéssemos apagar...

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Um pouco mais

Doeu um pouco mais
Rever os seus olhos em sonho
Rever sua boca, beijando outra boca
Que não a minha.
Sofri, em silêncio.
Pois nada do que eu dissesse mudaria
E nada apagaria aquele momento.
Sofri um pouco mais
Dessa dor que vai passando
Aos poucos, um pouco mais.

Me embala em teus versos, Poesia minha vida. Melodia minh'alma.