segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Sem direção

Tranque suas portas
Para abrir-se ao prazer de estar só
Correr riscos absurdos
De amar calado
E sorrir, apenas sorrir das situações de pura comédia.
Onde a hora é o que menos importa
Mesmo precisando chegar cedo
Mas sem querer tudo isso...
E falar coisas sem sentido
E outras da boca pra fora
Que me fazem parecer idiota
Tentando consertar erros irreparáveis
E quando peguei à direita
Querendo mesmo ir pro lado contrário
Percebi que nada pode ser errado
Mas voltei ao passado
E quis ouvir de novo sua voz.
E isso foi capricho meu
Não deveria ceder às minhas vontades novamente
São vulneráveis e me assustam
Surpreendentes e tão complexas
E tão cheias de nó.
E volto, de novo, ào pó
E admito morrer sem culpas

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

PasteL?! [???]

num click de ignorância
Perdi ideias já concluídas
E tive outras, tão rapidamente, que nem abalada fiquei.
E nem sequer me importei [mesmo usando ctrl+z pra tentar recuperar] rs
Mas no meio do caminho
Fui puxada, ferozmente, pela labuta inexata
Pela rotina forçada e entediante
Pelo cansaço insistente e constante.
E, liberta disso tudo num curto espaço de tempo
Me faltam de novo as palavras, me falta a vontade e a força.
Dependo de algo bom ou muito ruim, quem sabe...
Ou apenas de um pastel pra aliviar minha fome! ;*

terça-feira, 25 de agosto de 2009

;x

cansada dos favores
Dos pedidos de desculpas
Das eternas incoerências
Das minhas dores e culpas
Eu farta de tristeza
E essa luz que teima em se apagar...

Mas não me tens deixado cair
Não com tua irreverência
Sempre tão meiga e tão carinhosa
Cheia de vida e toda prosa
Ideias malucas e falta de nexo
E suave voz, tão doce e sonolenta...
Risos em ritmo de real alegria
Uma inocência que contagia
Não se aproxime tanto de mim
Não mais te deixaria partir
Mas não me abandone, menina bonita
Olhe por mim nos dias em que precisar de ti
Esteja ao meu lado, mas não tão perto assim
Seria um pecado perder-te pela ignorância
Mais ainda pelo medo de tê-la.

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

;~~

Qual a cor do seu poder?
E o destino pra sua dor?...
Do final do nosso amor
Um começo para o nada
Um início pro fim da estrada
Que andamos sem caminhar
Que paramos em qualquer lugar
E já não vemos continuação
E nem temos vontade pra isso
E nem temos fome, nem sede
Nem forças pra nada que não seja demonstrar o sofrimento
Esquecer o juramento de amor
E continuar desse fim
Que será o começo de novo
Que trará um outro alguém
Te fará querer bem
E amar de verdade
E dever lealdade...

so sorry..

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Falta

Me encontrei, perdida em pensamentos
E fui invadida pela eloquente vontade de não querer sentir nada.
De não ver teu rosto, nem mais o teu corpo despido mirado em meu corpo.
Como num 'reboliço' de ideias loucas
Das palavras que apenas fogem à mente.
Faço jús aos meus princípios que nunca me pertenceram, de fato.
E, faço caso do que sei que nunca pude possuir.
Eu sinto falta daqueles olhos verdes
Que nunca chamei de meus.
Que sempre foram tão teus, mas viviam voltados à mim.
E, porque tudo é assim?
Volte a ser como tu eras, mas pertença a mim também.
Sei que um beijo não convém, mas quero ver-te outra vez.

└'

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

200 *-*

Que desassossego o som dos pingos no chão
E o cheiro de fumaça que o seu cigarro emana
Ouço o som de todos os teclados
E das vozes, incansáveis que insistem em me ensurdecer
As portas estão abertas
Um vento encanado invade o recinto
E tudo o que sinto é um sono comum
E tudo o que digo não tem sentido algum
Ouço mentiras, promessas tão fáceis
Digo outras em contraponto.
E de que é feia a verdade, senão das mentiras que acreditamos?
Segue caindo a chuva
Meu silêncio é barulhento demais!
Somente teu corpo me satisfaz
Teus olhos perdidos em qualquer direção
E risadas espontâneas para as piadas mais sem graça =)
E o dia permanece cinza...
Já não se pode ver o céu, coberto de nuvens.
Já não posso ver quem eu quero, e nem ter o seu abraço.
A saudade é traiçoeira. A vontade é companheira. ;P
No rádio, a canção me empolga
'espero que o fim da tarde venha com você ♪'
Mas eu sei que não virá..
Nem hoje, nem amanhã... E nem nos próximos dias
Começa uma nova canção
Os pensamentos de volta ào passado
Junto pessoas, revejo fatos
E mais uma vez a saudade.. De novo a vontade de poder voltar atrás.
Os caminhos se dispersam tão rapidamente
No arrastar das horas mais longas
Nos dias mais incertos e menos prováveis para a distância
Onde o que queremos é o que menos importa
E os desejos.. Serão sempre eles mesmos
E o castigo maior, é o do nosso próprio medo.

200 postageNs! Um emaranhado de coisas que me passam na cabeça.
♥♫↓→↨¡

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

eLa

E, da irreverência da sua 'eletricidade'
Novas vontades pra mais uma vez sorrir
Num septo cibernético
Que tanto nos une, enfim.
E piadas tão comuns, que se fazem diariamente
Das fugas pros medos meus, e.. Tão seus, eu sei.
Pela graça dos devaneios não propositais
Uma simplicidade, envolta em rara beleza
E uma grande certeza
A amizade tão necessária pra mim.

terça-feira, 11 de agosto de 2009

ia ia Ô! =P

Eu já sabia, era o que eu ouvia
E tanto temia, por não poder ver.
E eu corria, de mim fugia
E só queria poder entender.
O quanto sofria, andava e caía
As dores sentia, sem ao menos me mover.
E aos poucos gemia, na noite tão fria
E dessa agonia, não podia correr.
Lá no fundo eu via, que a luz do dia
De longe viria, pra minha paz trazer.
Devagar entendia, quando a noite surgia
Que ainda sofria, mas já podia ver!
E discretamente, sorria, meus lábios em alegria
Mostravam, mais uma vez, ao dia, a tristeza perecer.

(U'

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Livre! \o/

Eu vou voar
Como pássaro que sou
Vou viajar nos meus sonhos
Que é onde posso ser livre!
Entorpecer na calmaria
Da liberdade que ainda me pertence
Quero inundar de sossego esse meu peito, hoje, calmo.
Que tanto clamou por isso.
Que tão agradecido está.

E, quero também poder escrever algo mais legal.. ;PP

domingo, 9 de agosto de 2009

Oo'

Traição não tem perdão
Assim como o amor não tem cura
E, pros meu dias de procura
A boca, sedenta, que tanto quis
E mais uma vez um dia feliz.. Tão doce e amável
Suave e tão afável, dos carinhos que me deste..
Da presença necessária!
Já não sei onde começa o meu corpo e onde termina o seu...
Me perdi num vício incontrolável de querer e ter!
E ja não posso entender aquilo que ninguém jamais explicará!
E não posso me livrar de culpas que não possuo
De dores que já não me pertencem...
E das fugas que sempre foram refúgio, e hoje são medo.
Trarei no peito a certeza do alívio..
Da falta de juízo, acompanhada de muita tranquilidade
Sem saber, ao menos, o que fazer..
Pois amar é tudo mesmo?
Se não for, me ensina? ><'

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

EstranHo fim do que não acabOu

Pelo sacrifício da ignorância
Dos meus dias dispersos de sapiência
Pelas fugas tão distantes de esperança
E o retorno de calmaria e clemência
Das pontas de flechas voltadas ao meu corpo
Num sulco de ódio, dos olhos tão negros
Sarcasmo em sua boca, e nas suas palavras
O fim de um começo tão puro, que se tornou amargo e mesquinho.
Que se tornou perigoso!
Seguirei dos meus passos
Sempre dados em prol à paz!
E nos dias e noites que sei que não voltam mais
Ficará a lembrança do que foi bom.

=)

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

(u'

De tanto escrever, me faltaram palavras
Me fugiram ideias
Minha voz calou-se para o novo.
Tenho medo de dar passos e abrir os olhos
Medo de ver o que nunca quis
De não ter o que tanto preciso
De perder o que acho que tenho, ou tive um dia.
Minhas mãos, atadas, e sem ação
Simplesmente abrem-se a espera do retorno
E, tão involuntariamente, fecham-se num vertigo de fúria.
Eu fujo dos temores, com novas canções
Liberto-me aos poucos das suas prisões
E sigo... Apenas sigo, sem certezas nem verdade

sábado, 1 de agosto de 2009

SaudadE...

E a eternidade da procura por seus olhos
Foi traçada nos meus dias mais escuros
E na desenfreada busca pelos dias de calmaria
Se fez em mim o seu calor
O seu sabor, e o cheiro que ainda ficou.
E a marca que você deixou ao passar por mim
Dos dias de amor sem fim
Das lutas por paz, enfim.

SiNto sua faLta, bem