segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Ano Novo

Final de 2013...
Nessa época (fim de ano) nos colocamos mais vulneráveis perante a várias situações.
Nostálgicos.
Relembramos, planejamos, imaginamos "como será?".
E é justamente nessa época em que estamos mais amáveis, mais abertos a novos planos e que devemos, planejar!
Que devemos nos permitir a encarar novos caminhos, novas escolhas, gente nova.
Quando devemos iniciar um novo processo de seleção de pessoas boas para estarem ao nosso lado no novo ano de sucesso que deverá iniciar. (e isso acontece automaticamente)
Quando devemos conhecer novos lugares, viajar pra mais longe ou para novas direções.
E é quando as coisas começam a acontecer quase que "sem querer".
O universo conspirará sempre de acordo com a nossa permissão. Sempre a nosso favor, dentro do que deixarmos que ele faça conosco, fazendo, em contrapartida, por ele.
É uma troca bem recíproca de querer e poder.
De buscar e alcançar.
Façamos então as nossas escolhas!
Façamos um novo ano, ainda melhor.
Façamos amigos, contruções sólidas.
Façamor amor! Façamos, AMAR!
Que venha 2014!

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Sede de mudança!
Talvez o cabelo, quem sabe uma dança?
Parede quebrada, massa corrida
Cores, cores, cores, despedida!
Dá vontade de ficar lá, martelando a noite toda
Mudando, colando, parafusando.
Só dá vontade de ver tudo diferente.
Quase tudo.

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Primavera

Chegaram os 23!
As 23 primaveras...
E trouxe o que? E trouxe como?
E porque veio tão depressa?
Trouxe festa, riso e choro
Trouxe um coro de pessoas
Afinado, em Sol maior
Desejando só o melhor
Festejando, rindo à toa
Celebrando mais um ano.
Ou menos um, como se diz.
Bem vindas primaveras!
Bem vindo, novo ano.

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Quando pensar em levar seu amor pra algum lugar
Pra qualquer que seja
Pra cama, sofá, pro chuveiro, pras estrelas, pro céu, pras nuvens...
Carregue-o nos braços, como se fosse a última vez que pudesse faze-lo.
Carregue-o com beijos com flores, com doçura.
Grite palavras bonitas de afeto, de querência.
Carregue-o nos braços, mas dentro do peito.
Lembre-se da importância que esse amor tem.
Ele deve ser carregado com carinho, com cuidado.
Por ser frágil, por ser único.
Todo amor que é bem regado crescerá.
Todo amor que é maltratado morrerá aos poucos, dolorosamente, aos poucos.
Mede-se o tempo
A calma e o espaço entre as coisas.
Algumas tomam proporções inabraçáveis.
Controla-se a chuva, mas não o vento.
Controla-se o medo, mas não a escuridão.
Qual caminho escolhemos?
E nosso passos estão indo pra qual lado?
Pensamos e nada faz sentido.

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Ataque de fofura

Oi Blog, querido, abandonado *-*
Você tá um fofo com esse fundo todo colorido. Hahauahauahu

E eu estava com saudades!

Esta semana é tão linda, e tão especial!
É a semana do aniversário da mulher da minha vida.
É uma das datas em que paro pra pensar em tudo o que já vivemos nestes quase 2 anos.
Nossa! Não me dei conta de como o tempo passa.

E ontem, ainda, conversávamos justamente sobre isso...
E rimos, rimos de nós mesmas e das coisas que já fizemos e dissemos uma pra outra.
E tive a certeza de com quem desejo dividir os próximos anos da minha existência.

Estou sorrindo ao escrever e sei que ela sorrirá lendo cada uma destas linhas e, involuntariamente, lembrará dos nossos bons momentos.
E concordará comigo quando digo, penso e sei que nascemos uma pra outra. *-*

Nestes dias em que estamos mais sensíveis à tudo, em que paramos pra pensar o real sentido da vida, nos faz perceber os "bons" que estão ao nosso lado, e os que já ficaram pra trás, caminhando em outras direções ou em velocidades diferentes.
Vemos que tudo que nos fez acreditar um dia, hoje pode ser irrelevante, mas que o que é real, nunca morre, nunca acaba.
Pode mudar de forma, de horário, de jeito, de cor... Mas nunca vai deixar de existir, totalmente.

E essas coisas, que parecem ser tão simples são, justamente, as que nos fazem pensar.

Também farei aniversário neste mês e isso sempre me incomoda um pouco.
Não pelo fato de ficar mais velha, mas por mudar e ver as coisas mudando ao meu redor, talvez de maneira incontrolável e diferente do que imaginava que pudessem ser.

O novo assusta!
Instiga, e muito, mas assusta.

E os novos caminhos começam a aperecer...
Os novos propósitos, os novos sentimentos, e as novas conquistas!
Passamos a nos perguntar o que queremos pra nossa vida, pro nosso futuro, pros nossos filhos que ainda nem nasceram.

Passamos a querer mais, e a buscar mais, porque podemos!

E é quando quebramos a cara... É quando encontramos as pedras do caminho, que, sim, podem vir a ser as do castelo que todo mundo sonha e blá blá blá...
Não somos tão confiantes como pensamos.
Mas seguimos em frente!
E vamos seguir até que cheguemos lá.

Lá onde nem sabemos onde fica... Mas estams indo pela direção correta, tenho certeza disso.

Meu amor, quando ler isso, saiba que todos os passos que dou ao seu lado, por mais sem rumo que sejam, me dão a direção mais segura.
Eu te amo. ♥

terça-feira, 20 de agosto de 2013

É cedo ou tarde demais?

Vivemos num mundo,
Onde todos vão embora.
Uns sem dizer adeus,
Até mesmo sem saber a hora.
Deixa saudade, fica a lembrança...
O sorriso de criança, que
Esse, nunca morre.
Ficamos amarrados
Desnorteados, desamparados
E acompanhados pela dor.
Com dezenas de perguntas
Sem resposta, claro.
Aliás, apenas uma que não deixa de existir
Todo mundo um dia vai,
Mesmo sem querer ter de ir.

terça-feira, 13 de agosto de 2013

como é que se diz eu te amo?

Ter liberdade pra falar de amor,
De cocô, de ex-"amores" (quase a mesma coisa)
Saber lidar com situações,
Dizer eu te amo, na madrugada
Trocar e-mails, kinder ovo, flores.
Trocar confissões, carícias
Pagar o almoço, a janta, as jóias.
Pegar na mão, só quando ninguém tá vendo
Roubar um beijo
Abraçar com as pernas
Beijar na chuva
Brigar no skype
Amar, de todas as formas, de todas as cores.
Amar, como eu te amo.

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

dente

Gente, que dor de dente!
Dói atrás, dói na frente,
Já não há mais quem aguente!
Aparelho resistente
Puxa daqui, puxa dali
Causando a impressão
De que o dente vai cair!
Ai meu deus, que dor de dente!

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

ciranda

Ciranda, cirandinha,
Vamos todos cirandar,
Vamos dar a meia volta,
E à dormir vamos voltar. ♫ amém

Menina

E tudo o que eu escrevo
É pra dizer, menina
O quanto me fazes bem
O quanto teu cheiro é bom
E como teu corpo se encaixa no meu.
E tudo que tenho pra falar
É que te amo, cada dia um pouco mais
E infinitamente pretendo fazê-lo.
Tenho sentido como a vida é boa tendo tu
Cada passo que damos lado à lado
Percebo a necessidade de continuar.

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Quando à noite

Cala-te!
Escuta o que as gotas de chuva dizem
Mas não te desconcentres de mim
Ainda te falo coisas de amor
Te falo em tons de gozo
E em literal sentido o faço.
Te falo com sentimento, e quase sem fôlego.
Cala-te, sem deixares de gemer.

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Corre

Correm murmurinhos
Corre o vento
Corre o tempo
E o passarinho
Corre o sentimento
O ardor no peito
Corre o tempo.
Corre o  mundo inteiro
E ainda, o tempo.

terça-feira, 30 de julho de 2013

O que é vontade?

"É estar-se preso por vontade"
Não me sai da cabeça esta parte da música...
E diz tanta coisa em tão poucas palavras!
Mas e a vontade é o que, senão, tudo?
Basta que a tenhamos pra "chegar lá"
E se prender, não apenas à uma outra pessoa, mas ao compromisso.
As duas coisas partem do mesmo ponto.
Partem de querer!
E o "estar preso" não é sinônimo de "perder a liberdade"
É como ganhar uma nova liberdade
Pra pegar na mão, pra pegar na bunda
Pra dizer bobagens, pra ouvir besteira
Pra dar risada de qualquer coisa, ou de nada.
É uma prisão tão linda.
Tão digna de se querer.
Pretendo estar cumprindo a prisão perpétua
Sendo assim, pelo "crime" de amar, incondicionalmente!

terça-feira, 23 de julho de 2013

Vento

Congelados
Dedos, cílios, ponta dos cabelos
Tudo em pausa, só não o vento
Passageiro, vento, barulhoso.

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Escuridão

Oh meu amor, perdoe-me se te fiz chorar
Perdoe-me por te abandonar naquela noite de frio
Meu bem, eu não quis que tu partistes assim
Não, sem me dar adeus.
Aquele copo de vinho nunca desceu tão amargamente.
E solitária, mais uma vez, deixei que as lágrimas caissem.
Meu amor, eu te peço que voltes, não me deixes aqui.
Te peço que deixes ao menos um pedaço de ti pra me fazer lembrar.
Meu amor, eu não quis te magoar...
Nunca imaginei que teus olhos pudessem derramar tantas lágrimas por mim
Mas eu não pude evitar
Nem sabia como te fazer ficar ao meu lado
Não deu mais pra mim.
Óh meu bem, não me faça correr atrás do que não se pode alcançar.
Teus passos são sempre mais longos que os meus.
Eu não consigo enxergar além daqui
Mas sempre que fecho os olhos, te vejo voltando para os meus braços
É como se ali eu tivesse o poder de te ter aqui.
E é como se realmente estivesse.





segunda-feira, 15 de julho de 2013

Amo²

Hoje irei "plagiar" um poema de Fernando Pessoa, e toda sua sabedoria que querem dizer mais ou menos o mesmo que eu, só que com mais classe, lógico. Huahuaha


“Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar. Que queres que te diga, além de que te amo, se o que quero dizer-te é que te amo?” (Fernando Pessoa)

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Espera

É tanta vontade de escrever que preciso respirar pra não misturar tantas coisas na cabeça.
Os pensamentos vem tão rapidamente e com tanta intensidade que não sei sobre o que vou falar.
Dá vontade de ter músicas novas, mesmo que sem sentido pros outros.
Dá vontade de simplesmente deixar os dedos "agirem" por si só.
Voltam ao passado, voam pro futuro!
Pensamentos, interesses, angústias... Medo.
Tal qual criança, prevejo as coisas, cada uma em seu lugar.
Alimentando um instinto de querer ver tudo tão depressa!
É ansiedade. Pura ansiedade.
Falávamos ontem sobre esperar.
Mas não se pode esperar!
"Quem casa, quer casa"... Mais ou menos assim, certo?
E, neste caso, quem tem casa, deverá casar-se.
Deverá, não como obrigação.
Deverá como curso natural das coisas, da vida, do amor, do tempo...
E falta! Tempo para ir, tempo para ter.
Falta pra taaanto, que só nos resta ESPERAR.
Alimentar a esperança de ver as coisas em seu devido lugar.
Não somente físicas, mas emocionais, principalmente.
Ver o sorriso, sentir o alívio por ter lutado pra ter tudo aquilo, de alguma forma.
Por ter conseguido.
E não se espera parado. Espera-se fazendo aidna mais pra garantir um bom "prato".
Espera-se agindo, buscando, plantando.
Por que mesmo que tardia, a colheita vem.
Vem promessas, vem encrenca de todos os lados.
E deverá vir serenidade pra encarar.
Deverá vir a calma, a paciência e a tolerância.
Deverá vir tudo que cabe na dispensa, no abraço, no quarto de visita.









- Falta de - Tempo

Perdemos a cabeça
O tempo, o medo
Perdemos os dias, nas horas que passam
Perdemos tanto e tanta coisa em tão pouco tempo.
E nos perdemos em meio a tanto trabalho, a tanto "ter o que fazer".
Perdemos momentos preciosos quando damos às costas um ao outro.
Perdemos abraços, carinho e aconhego.
Perdemos o afago que nos faz viver.
E perdemos vontade?
Desejo que não.

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Novidade

Novidades que batem à porta
Adentrando mesmo sem convidar
Vem novidade, vem futuro
Vem casa, cachorro, cozinha e contas.
Vem felicidade instantânea!
VEM!!

terça-feira, 9 de julho de 2013

O vento

Lá fora faz frio
O vento vem e vai, barulhando.
Assovia, tal qual canção de pôr medo em qualquer um
E traz sensações de solidão e saudade.
O vento tem o poder de fazer-se grande
Gigante da terra de ninguém, que sopra e sopra, vai e vem.
Tem o ar gélido que não se quer por companhia.
Faz moradia em qualquer lugar.
Traz nostalgia, causa agonia
O vento que vem e vai.
Sopra pra bem longe, vento gelado
Todo esse sentimento guardado.
Sopra pra bem longe, sopra.

quarta-feira, 19 de junho de 2013

VOZ sem VEZ

A voz, simplesmente, se abre, deixando de se calar.
E a cabeça se enche, se aperta, se explode!
Cuspimos, talvez, palavras que não deveríamos dizer
E mesmo assim, mantemos a razão por tê-las dito.
E a perdemos com a mesma velocidade com que falamos.
Mas a voz, simplesmente, de abre!

quarta-feira, 12 de junho de 2013

Doze de Junho é um dia para ser encarado como outro qualquer.
Sim, porque deve-se amar diariamente.
Deve-se desejar e trocar "presentes" diariamente.
Trocar afagos, carinhos, trocar o amor e o AMOR!
Trocar carícias e trocar problemas, porque não?!
Mutuar respeito e promessas (que deverão ser cumpridas, logicamente)
É um dia pra se gostar ainda mais, se querer ainda mais.
Mas todos os dias esse sentimento deve permanecer vivo! E quente dentro dos corações.
Todos os dias deve-se ter vontade de estar perto, estar junto, estar dentro um do outro.
Da vida um do outro, dos planos.
Doze de Junho, nada mais é que um símbolo de expansão dessa troca de sentimentos e mimos fisicos.
Mas é também o dia em que o mundo fica cor-de-rosa de amor.
Vermelho de paixão, emanando com tanta intensidade esse sentimento, que afeta até os solteiros, à procura de um par.
Enfim, vivamos esta data, todos os dias, à todo momento.
Partindo do amor próprio, para amarmos inteiramente à outro ser.


segunda-feira, 10 de junho de 2013

Eu gosto mesmo é de olhar praqueles olhos
Sem ter que dizer nada
Sem a "obrigação" das palavras
Apenas olhar, e sentir, instantaneamente.
Sentir o amor, o afeto, a atração física, como um todo.
Pelo rosto, pelo corpo, por inteiro.
 Pelas mãos, suaves e pelos cabelos sedosos.
Eu gosto mesmo é do calor que este corpo me dá
Dos suspiros que me faz ter.
Eu gosto é de mergulhar no profundo do teu ventre
Imaginando plantar um ser dentro de ti.
Gosto do gosto doce que teus lábios tem
E do amargo da sua ira quando faço algo de errado.
Eu gosto mesmo é de ter, tu, só pra mim
Ter os teus gestos, o teu jeito e tuas manias
Tudo neste misturado de sentimentos e ações
Que me fazem te querer.
Te querer respirar, diariamente.



terça-feira, 7 de maio de 2013

Anel no dedo é compromisso,
Não mais que o puro sentimento.
O verdadeiro, que vem de dentro
E não aquele das velhas estórias.

Anel no dedo é beleza,
Exibição de quem se ama
Não mais que a chama que queima o peito
A cada beijo, a cada toque.

Anel no dedo é ousadia
É exibir o que se sente
Não mais que amar por entre a gente
Dos olhares maliciosos.

Anel no dedo é um pedido
É casamento na certa
Não mais que os olhos, lacrimejados
Que se entregam a cada insante.

Anel no dedo é o noivado
É o namoro
É o sim

Anel no dedo é a vida mais bonita
Com a pessoa mais bonita
Minha, toda, e só, minha.

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Talvez hoje, com tanta ideia, eu escrevesse uma boa canção.
VIOLÃÃÃÃÃÃÃÃÃO!

nada

Algumas palavras, simplesmente, deixam de existir em nosso vocabulário
Assim como algumas pessoas somem do nosso álbum de fotografias,
Ou das baladas de finais de semana.
Das nossas vidas.
E pensando nisso, me veio à cabeça o rumo que tudo tomou.
Ou que as pessoas e coisas tomaram... Ou, puramente deixaram de tomar/fazer parte.
Agora que muitas coisas não podem mais caber aqui
Como velhos desconhecidos que frequentavam as casas uns dos outros, diariamente.
Desbotando-se o passado vai sumindo
Do mapa, das curvas, dos carnavais antigos e atuais, e futuros.
Que se acabam os motivos, os reencontros, os desencontros e esbarrões por acaso.
Que, por acaso, nem existe.
E, que talvez faça com que nada mais tenha sentido ou existido, ou estado e sido.
E dizem que as vidas deixam de fazer parte umas das outras quando se compreende a função das coisas, ou da existência das coisas em nossas vidas.
E para-se de procurar aquilo que fora encontrado, no mesmo acaso, do "por acaso, encontrei".
E diversas palavras que foram ditas, esquecidas, transferidas por outras, substituídas por novas,
Voltam, de alguma forma, no amanhã e nos fazem pensar.
Simplesmente. Não no passado, apenas no que aconteceu.
E, um dia, quem sabe, isso faça algum sentido.
Por enquanto, ficamos com o "nada é certo".
Com o nada é entendido, com o que nada do que foi dito aqui deva, de fato, fazer-se entender, ou existir, ou ser.



terça-feira, 16 de abril de 2013

Talvez tenha rabiscado sobre a poeira
Limpando, de certa forma, o passado.
E tenha simplificado os gráficos indecifráveis
Da física de todo dia.
Ou ainda, tenha desenhado com caneta permanente
Sobre a parede quebrada que nunca existiu.
Com a mesma tinta que está na pele, feito tatuagem
Daqueles dias que não saem do corpo como quando se banha, lavando a alma.
E quem disse que a água pode lavar?
Quem irá dizer o que será?...
E talvez ninguém saiba, de fato..
Ou, de certo, nem queira saber.





quarta-feira, 10 de abril de 2013

Blog velho, abandonado
Empoeirado, às traças...
Às avessas bem como meus pensamentos.



quarta-feira, 3 de abril de 2013

Queria estar em casa, escreveria uma música hoje. Certamente que sim.
É tanta coisa ao mesmo tempo, tanto sentimento.
As palavras vem se dispersando na minha cabeça, como uma tempestade quando cai, sem avisar.
E é como se a chuva desviasse do meu corpo, procurando outros corpos a molhar.
Faz centenas de dias que fiz uma escolha. 303 pra ser exata.
A escolha que julgo ter sido pra toda vida, e me parece que algumas falhas vieram à tona.
Parece que rachaduras atingiram uma estrutura sólida, inacreditavelmente.
E de maneira totalmente desnecessária.
E não vou me justificar por erros que não cometi.
Não vou assumir a culpa que não me cabe. Só desta vez.
Mas talvez eu chore... Eu sofra, madrugadas sem dormir.
E eu silencie. Como de costume...
Sem entender certas coisas, sem aceitar outras delas.
E eu ainda assim, colocaria uma aliança dourada no seu dedo.

sexta-feira, 15 de março de 2013

Eight *-*

Talvez não seja um "presente" tão bom quanto ao que me dá todos os dias
E nem há instruções a serem seguidas...
Talvez eu nem consiga dizer tudo o que gostaria, ou da forma como queria nesse texto
Nesse "pedaço de papel" que te levo aos olhos.
Mas foi a forma que encontrei pra te fazer sorrir um pouco, como me fez, logo cedo com a linda mensagem, e as nossas fotos *-*
São 8 meses, minha vida. Oito meses que passaram voando!
Que vem nos mostrando, a cada dia, o "lado bom da vida".
Que vem nos ensinando, a cada passo, como cuidarmos uma da outra.
E não é perfeito... Porque, nada é, e seria muito chato se fosse.
É com desavenças, com TPM's, com pais, com distância, às vezes...
É com saudade, com desejo, com carinho, admiração, cuidados,
Com intolerância, com impaciência, dicussões sem sentido
É com sorrisos bobos e "sem motivo", com o fazer amor.
É COM AMOR. Indiscutivelmente!
E as coisas vem acontecendo rápido, e os planos, e tudo.
E é como se te conhecesse a uma vida inteira... (não é clichê)
E como se quisesse passar a vida inteira ao teu lado, a fim de te conhecer, de verdade, ainda mais.
Lembro-me da primeira carta que te escrevi...
Da primeira vez que ficamos longe, dias depois de ficarmos pela primeira vez... Hahahaua
E era como se você já fosse MINHA, só minha.
Porque eu tinha que cuidar de você a todo custo, e tinha que tê-la perto pra ficar bem, pra estar em paz.
E eu nem sabia, mas você já era *-*
E, talvez, nem você soubesse... Mas queria ser, que eu sei. >.< hihi
Sabe?... Às vezes, antes de dormir, eu fico te olhando... Eu fico pensando em como eles vão ser
Se terão suas bochechas! HAUHAUHUAH se serão tão bravos, e tão doces quanto só você.
Eu fico pensando em como vai ser a nossa casa, se vai ter grama ou calçada, se os cachorros vão cagar muito ou não... HUAHUAHUHAUAHUAHUHA
Fico pensando em quando chegaremos do trabalho, quase como temos feito nesses últimos dias, mas na nossa casa, com as nossas coisas, com as compras do mercado, e as crianças esperando pra gente ajudar na lição de casa... ;$
Coisas... E acabo dormindo também. E nem sempre eu sonho com essas coisas, como gostaria, mas já vale pelo tempo que imagino tudo isso com você.
E, certamente, valerá ainda mais quando for realidade.
Mesmo assim, eu tenho medo... E não quero pensar nisso.
Bom.. Só quero te dizer, amor, que essa é a nossa chance
É a nossa história que está sendo escrita a cada um desses meses, a cada um dos dias, horas e minutos que passamos juntas.
Que eu sou meio cabeça dura, na maioria das vezes, mas que TE AMO, e é sincero.
Que eu não faria nada para magoá-la, porque nunca tive tanta certeza e segurança com outra pessoa, como tenho ao seu lado.
Que, publicamente, me desculpo por qualquer palavra, ou falta delas, que tenha te ferido.
E que aconteça o que for, pretendo estar ao seu lado.
Obrigada por me aturar ♥






segunda-feira, 11 de março de 2013

Fazer errado nem sempre quer dizer que se fez por querer.
Pode ser que não tenha havido escolha
Pode ser que não tenha havido oportunidade para fazer o certo.
Pode ser que não se tenha aprendido como é.
Ou, pode ainda que não se queira mesmo, quem sabe, ter acertado.
Não sei do que estou falando.

sexta-feira, 8 de março de 2013

Mulher

Mulher tem o dom de inspirar
Por isso deu vontade de escrever hoje, assim, "sem motivo".
Deu vontade de dizer, da importância que toda mulher tem, seja qual for.
Seja qual for a mulher, seja qual for a importância.

"Mulher de carreira solo
Que cumpre com o seu papel de mãe, de força, de raça
Que luta, dia após dia, pelo alimento do seu filho
Pelo "comer", não apenas no sentido literal
Pela cultura, pela educação, pela formação como um todo.
Pela defesa, com unhas e dentes da sua cria.
Mulher de doçura única
Mulher de persuasão.
De olhar carinhoso, e com a malícia da qual todos desejam desfrutar.
Mulher de segunda à segunda
De vender chocolate pra ajudar nas despesas
De estudar, nem que "tarde", pra ser ainda mais mulher.
Mulher de correr maratonas pra levar as crianças na escola
De acordar cedo, e dormir tarde, ensinando a lição.
Mulher de criar mais de dez, para ser abandonada na velhice.
Mulher que se põe à frente da sociedade
Da sala de aula lotada, das fábricas que pegam fogo
Dos ônibus, cheios de outras mulheres.
Batalhadoras, mulheres, que nem sempre são reconhecidas.
Mulheres das grandes empresas
De ternos e pulso firme
Mulheres de meia e chinelo, que batalham por um pouco de dignidade.
Mulheres, mulheres, mulheres...
Cada uma com o seu encanto, com a sua beleza, seja como for.
E todas com o mesmo em comum, de ser MULHER."

Parabéns.

sexta-feira, 1 de março de 2013

Passamos de um estado de espírito de dor,
Para uma nova etapa, com paz, com vontades.
Passamos a não ter os mesmos medos, mesmo tendo pesadelos.
E acordar vendo o mundo de outra maneira
Com outros olhos.
Passamos a sorrir mais, e por menos motivos óbvios.
Ou, do contrário, por um único motivo, absolutamente cabível.
Descabido de qualquer explicação
Por que ele mesmo se basta.
E, é quando não se tem compromisso com o medo
Nem mais se tem encontros com o nada.
É quando nos encontramos
Dentro de nós mesmos
E transparecemos todo esse "ser" pra fora de nós.



quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Pode que o tempo se arraste
Recuse-se a passar
Que o dia perdure
Ainda assim, serei seu, todo seu e de mais ninguém. ♥
Divagados passos tortos
De andar por entre a gente
Sente o peso do passado
Sente, delicadamente.
 
Escraxado perigoso
Caloroso tempo velho
Do passar, malicioso
Desde o sábio conselho

Desolados passos curtos
De olhar entristecido
Descabido sentimento
Descontento, arrependido



tudo

O que sabemos?
Um filtro dos sonhos, um cachecol
Uma noite escura, embaixo do poste, sem luz
Um "em comum" que nunca existiu
Um abraço apertado na praça, em dia de sol
A revelação do que se fez
Um passo em falso, um buraco
Um extraterrestre que nunca se foi
Letras de músicas mal terminadas
Poemas sequer começados
Início de um fim precoce
Distorce qualquer estória
Qualquer quimera que nunca existiu
E camelos que nunca deixaram o céu,
E nem as flores amarelas do campo que já não estão lá.
E nem o vento que se conteve em noite de frio
E nem a chuva que desabou a qualquer instante, sem poder.
Sabemos de nada, então.
Sabendo de tudo, enfim.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

sol

Faz fingir um sentimento dentro de ti
Repousa, descansadamente, tuas amarguras
Faz nascer um novo dia
E o calor que o sol te traz, é mais quente do que ontem.

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

algum

Choras sem ter motivos,
Pois teus motivos tu sabes bem
E somente tu.
Mesmo que sem motivo algum.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Talvez

De repente eu me reportei ao hoje
Sem parar, um minuto sequer, em pensar no amanhã.
Pensei em partir, em morrer, em surtar, em gritar e calei.
Pensei em sorrir, em relevar, em esquecer, esnobar, mas simplesmente eu calei.
Talvez porque encontrei abrigo neste silêncio.
Porque ele me aconchegou com o seu abraço frio
Ele me acolheu, calado e mudo, como de costume, mas ainda lá.
Desembarquei da viagem que eu mesma planejei e fiz, solitária
Em meio à toda aquela gente, sem saber ao certo o destino final
E encontrei mais passageiros perdidos, como eu, na minha própria viagem.
E mais destinos, dos quais eu desisti de ir.
E, talvez se eu fosse uma criança indefesa, alguém me pegasse pela mão e me levasse pra algum lugar seguro.
E, talvez eu seja essa criança, mas ninguém perceba.

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

ET's habitando este lugar
Como se fosse sua própria casa
Sentem-se à vontade pra dizer um "oi"
Da maneira como acham propícia.
E talvez não seja.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Escrever, escrever, pra dizer nada, enfim.
E eu ainda posso segurar a sua mão, se você me permitir.

ainda

Oi blog, oi mundo, oi você que ainda lê.
Na noite passada eu tive devaneios
Foi como se eu levitasse, viajando por cerca de 6km de onde estava e olhasse tudo de outro ângulo.
Foi como se eu me reportasse ao passado de uma maneira sem dor, sem culpa, sem medo.
E foi como ter 16 anos, de novo.
Talvez eu tenha ouvido, vindo de mim mesma, as palavras que jamais deveriam ter saído dos meus lábios.
Cantei canções que há tempos não cantava, e viajei tirando uma nova canção da gaita, chorosa, que só respondia ao meu sentimento.
Libertei meu peito de uma angústia que me habitava há tempos e resolvi que algumas coisas seriam do meu jeito, e não da forma como as pessoas gostariam que fossem.
Enfim, por algumas horas eu tive certeza de algumas coisas, incertezas sobre outras e não consegui, ainda, identificar o que é de fato real do que é sonho. O que é desejo e mera vontade.
Eu li aquele velho livro, cheio da poeira de quem não lê há meses, e consegui acompanhar cada uma das "fases" que havia perdido, com o passar do tempo.
E sorria, em cada uma daquelas linhas, com uma dor tão grande!
E cada uma das palavras me cortava o peito, como se eu fosse a mocinha, ou a vilã da estória.
Enquanto que a história de que minha sombra lhe cobre o corpo como um todo, ficou descansada nas páginas daquele outro livro...
Erramos?
Nos perdemos no meio da estrada, que talvez foi longa e cansativa demais para pernas tão curtas.
Mais que nos últimos dias/meses, tenho me cercado e me coberto de questionamentos sobre o mundo, o meu mundo e o seu.
As mudanças repentinas e passageiras que nos tem invadido.
Na minha felicidade que agride os bons costumes.
Na falta de compaixão com a dor dos que me seguem, ou me perseguem.
Ainda é madrugada, ainda há tempo.

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

indo

Hoje é um daqueles dias que não tem café
Nem se tem o que fazer (mentira, pois há e muito)
E não tenho o meu abraço e o meu beijo matinal
E nem outras coisas que subsequenciavam o meu acordar.
PRECISO aprender uma letra dificilima, que nem sei por onde começar, além de ouví-la frenetiamente.
Chego a sentir náuseas pela repetição, mas é necessário. ;~
E eu tô no fim "daqueles dias", e quase que com um início de gripe. Isso tá me agoniando.
Tenho sono, e sono.
E, trabalhei tanto ontem que hoje resolvi me dar um descanso destes clientes.
Só queria poder me dedicar mais à música.
Sinto falta de tempo! E o tempo que tenho, quero e PRECISO descansar.
meudeus, mas tenho apenas 21. /hmm 22. por alguns segundos me perguntei quantos anos tenho mesmo. SAHUSHAIUSHAIUSHA
Alguma coisa está me afetando. Que medo.
Nossa, e fazia tempo que não escrevia assim, solta, sem rima, sem me preocupar em fechar um verso.
Não devo estar escrevendo muita coisa lógica, mas pra mim faz todo sentido.
Enfim, as coisas boas vem acontecendo, de alguma forma.
Estou satisfeita com o "rumo" que tudo tem tomado, mesmo não tendo ganhado na mega.
Estou aguardando o terceiro sorteio, né AMOR MEU? *-*
Tenho a mulher mais linda do meu lado.
A mais perfeita PRA MIM.
Talvez (e tenho certeza disso) seja o real fim da procura.
E paro pra pensar, comigo mesma, como tudo isso aconteceu.
Como caiu no meu caminho, o seu. E permanecerá pra todo o longo sempre que se permitir.
Resumindo, há coisas que precisam melhorar, que rpecisam tomar assento em seus devidos lugares,
Mas num geral, tudo vai bem, tudo vai, indo.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Enfrentar os medos, com seu próprio medo
Com as próprias lágrimas que rolam sós.
Esperar do tempo, o seu mesmo tempo
Acalentar cada sentimento com o mesmo tom.
E não fugir, e nem calar
Apenas ir, pra não voltar.

Enquanto lá fora chovia Eu sentia teu cheiro, Não mais que tua falta, Em meu travesseiro. Sentia teu corpo, Na noite passada, eu ...